Espanha: Filipe VI quer novo Governo o mais rapidamente possível

O rei de Espanha está farto de ver as forças políticas do país incapazes de concretizarem um governo que se mostre duradouro. Filipe VI parece estar a perder a paciência para tanta incapacidade. O problema é que ainda nada está decidido.

REUTERS / Sergio Perez

A reeleita presidente do Congresso dos deputados espanhóis, Meritxell Batet, foi ao Palácio da Zarzuela para informar Felipe VI da formação da câmara baixa, o que permite ao rei começar a preparar a ronda de consultas com os partidos para ver se algum candidato tem o apoio necessário para se apresentar à investidura.

Após a reunião com o chefe de Estado, Batet regressou ao Congresso e presidiu à primeira reunião da XIV legislatura, onde, segundo os jornais, Batet garantiu que o rei acredita que “seria bom se houvesse um governo e, portanto, a investidura começar a funcionar normal e institucionalmente” o mais rapidamente possível.

Mesmo assim, a presidente do congresso disse que, embora ela própria considere muito difícil conseguir um governo antes do Natal, a ideia de Felipe VI é “organizar rapidamente a agenda” para definir a ronda de consultas. Ou, dito de outra forma: o rei quer que o PSOE se despache a encontrar os ‘sins’ e as abstenções necessárias para que o país passe a contar o mais depressa possível com um novo governo em funções.

A presidente do congresso participou na audiência real com representantes dos partidos com representação no parlamento  – onde faltaram a Esquerda Republicana da Catalunha (ERC, uma das partes principais da estratégia de Pedro Sánchez), Bildu e CUP.

Fontes institucionais citadas pelo jornal ‘El Pais’ apontam para a probabilidade de que essa ronda ocorra a partir da próxima semana. Paralelamente, continuarão as reuniões agendadas pelo PSOE com outras formações para tentar acrescentar apoio a Pedro Sánchez. Os contatos de terça-feira com a ERC e nos de quarta-feira com o JuntsxCat, o PSOE conseguiu marcar novos compromissos para a próxima semana, mas pouco evoluiu em concreto.

Batet está ciente da agitação no interior PSOE, mas também dos inconvenientes do calendário. “Existe urgência na investidura porque são muitos meses sem um governo em funcionamento e porque seria bom para o país começar a trabalhar o mais rápido possível”, afirmou. E disse que o rei está “ciente do seu papel institucional e constitucional e terá que receber mais grupos do que nunca e organizar a sua agenda”.

A lista de porta-vozes dos diferentes partidos que irão à Zarzuela começa com o PSOE, Pedro Sánchez , e depois continua com Pablo Casado (PP), Santiago Abascal (Vox), Pablo Iglesias (Estados Unidos), Inés Arrimadas (Ciudadanos), Laura Borràs (JuntsxCat), Jaume Asens (em Comú podem-Guanyem El Canvi), Aitor Esteban (EAJ-PNV), Alberto Garzón (IU), Íñigo Errejón (mais Equo-país), Yolanda Díaz (Galícia em comum) Ana Oramas (Coligação Canárias), Pedro Quevedo (Novas Ilhas Canárias), Javier Esparza (UPN), Joan Baldoví (Compromís), Néstor Rego (BNG), José María Mazón (Partido Regionalista da Cantábria), Tomás José Guitarte (Grupo Teruel existe) ) e Isidro Manuel Martínez Oblanca (Fórum das Astúrias).

Recomendadas

Japão, EUA e NATO condenam disparo de míssil norte-coreano

Estados Unidos, Japão e NATO condenaram hoje o disparo pela Coreia do Norte de um míssil balístico sobre o Japão, comprometendo-se a coordenar uma resposta multilateral à provocação do regime do presidente Kim Jong-un.

Filhos de José Eduardo dos Santos não vão contestar arquivamento do processo

Os filhos do ex-Presidente de Angola não vão contestar o arquivamento, pela justiça espanhola, da investigação sobre a morte do pai, disseram hoje à Lusa os advogados que os representam.

Cabo-verdianos “exaustos” de sacrifícios e à espera de “boas novas” no Orçamento

O presidente do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV, oposição), Rui Semedo, avisou hoje o Governo que os cabo-verdianos estão “exaustos” de sacrifícios e que esperam “boas novas” da proposta de Orçamento do Estado para 2023.
Comentários