Espanha pondera adotar fuso horário de Lisboa e Londres

Governo de Mariano Rajoy quer que a jornada de trabalho em Espanha passe a terminar às 18h00, para “adaptar o mercado de trabalho à quarta revolução industrial”.

Mariano Rajoy

O recém-formado Governo de Mariano Rajoy está a estudar a possibilidade de vir a adotar o mesmo fuso horário que o de Portugal e do Reino Unido. A proposta foi apresentada esta segunda-feira pela ministra do Emprego e da Segurança Social, Fátima Bañez, no Congresso de Deputados espanhol.

A medida prevê que a jornada de trabalho passe a terminar às 18h00 – atualmente termina à 19h00 – de forma a encontrar um sistema “flexível, seguro e equilibrado” para conseguir “melhores maneiras de adaptar o mercado de trabalho à quarta revolução industrial”, afirma Fátima Bañez.

Segundo a BBC Mundo, o fuso horário vigente em Espanha foi adotado pelo ditador espanhol Francisco Franco, em 1942, para agradar ao homólogo alemão, Adolf Hitler, que havia imposto à França o fuso horário da Alemanha. Depois do regime nazi e o fim da Segunda Guerra Mundial, França e Espanha mantiveram o mesmo fuso horário, o que possibilitou que Vigo (em Espanha) e Varsóvia (na Polónia), que ficam a mais de 3.200 quilómetros de distância, têm a mesma hora no relógio.

A ministra salienta que a proposta, constante no programa eleitoral do Partido Popular para as eleições de 26 de junho, está para avançar e que “alguém tem de dar sempre o primeiro passo e por isso peço o compromisso das empresas maiores e das associações empresariais e dos sindicatos”.

Recomendadas

Guterres condena “veementemente” golpe de Estado no Burkina Faso

O secretário-geral da ONU, António Guterres, condenou este sábado “veementemente”, num comunicado, “qualquer tentativa de tomada do poder pela força das armas” no Burkina Faso, um dia após um novo golpe de Estado no país, o segundo em oito meses.

Manifestantes denunciaram repressão violenta sobre ativistas no Irão

Milhares de manifestantes em várias universidades iranianas e em vários países protestaram este sábado contra a repressão sobre movimentos de protesto pela morte de Mahsa Amini, a jovem acusada de violar o código de indumentária da República Islâmica.

Bolsonaro agradece apoio de líderes europeus de extrema-direita, entre eles André Ventura

O presidente Jair Bolsonaro, que pretende ser reeleito no domingo, agradeceu este sábado as mensagens de apoio que recebeu de líderes da extrema-direita da Europa, como o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban, ou o líder do Chega, André Ventura.
Comentários