Espanha recebe maiores manobras militares da NATO desde a Guerra Fria

Espanha recebe a partir de quarta-feira mais de 20 mil militares de várias nacionalidades, entre as quais portugueses, para a fase real do Trident Juncture 2015, o maior exercício militar da NATO desde o fim da Guerra Fria.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O fase real do Trident decorrerá até 6 de novembro em 16 cenários em Portugal, Itália e Espanha, mas metade destes são em território espanhol.

O teatro de operações do Trident Juncture visa simular um conflito entre países fictícios do Corno de África. A NATO vai assim treinar “operações de combate, de controlo de território, de estabilização e resolução de crise humanitária”, informou o ministério da Defesa de Espanha.

O maior contingente das forças armadas espanholas provém do Exército de Terra, que terá em operações 4.700 militares, 93 blindados, 23 carros de combate e seis helicópteros, dois deles de ataque e quatro de apoio e transporte de pessoal. As forças do exército espanhol pertencem a 13 unidades, com destaque para a Brigada de Infantaria Ligeira Aerotransportada “Galicia VII”, com mais de 40 blindados e artilharia de campanha.

A Brigada de Cavalaria “Castillejos II” vai colocar em manobras oito carros de combate Centauro, 15 Pizarro e outros 43 blindados.

A Armada espanhola mobilizou 2.650 efetivos e 13 navios de guerra, entre os quais o navio de proteção estratégica Juan Carlos I, o navio de assalto anfíbio Castilla e as fragatas Blas de Lezo, Álvaro de Bazán e Numancia. O navio Cantabria estará no Golfo de Cádis e no estreito de Gibraltar, para dar apoio logístico aos outros navios da NATO.

Também participam no exercício quatro helicópteros da Marinha e dois aviões.

Já a força aérea espanhola – em Espanha chamado Exército do Ar – participam com 500 militares, 29 aviões e dois helicópteros. O destaque vai para a presença de 12 dos novos Eurofighter e, em pessoal, o Esquadrão de Sapadores Paraquedistas.

As operações em Espanha vão decorrer em Saragoça, Albacete, Madrid, Palma de Maiorca, Cádis e Almería. Os locais serão bases aéreas e centros de treino nestas várias cidades e o Campo de Manobras e Tiro de Almería.

No decorrer da primeira fase do exercício Trident Juncture 2015, a fase de comando (seguindo-se agora a fase real), o Quartel-General Terrestre de Alta Disponibilidade do Exército de Terra espanhol, com sede em Bétera (Valência) recebeu a certificação para dirigir a componente terrestre da Força de Resposta Aliada (NRF) em 2016.

O Trident Juncture 2015 é dirigido pelo Comando Conjunto Aliado com base em Brunssum (Bélgica), conhecido pelo acrónimo em inglês JFCBS (Joint Force Command Brunssum).

No total dos três países – Portugal, Espanha e Itália – o Trident Juncture 2015 junta mais de 36 mil militares de 30 nações.

Portugal vai receber, até ao final do exercício, mais de 10 mil efetivos de 14 países.

Além dos militares que participam diretamente no exercício (940 integrados na Força de Resposta da NATO e 2.016 e 2.220 nos meios complementares, Portugal disponibiliza ainda mais 3000 militares para funcionarem como forças de apoio, totalizando em cerca de 6 mil os efetivos portugueses envolvidos neste exercício.

Em Portugal, o exercício militar de grande visibilidade decorre nas zonas de Beja, Santa Margarida, Tróia e Setúbal.

OJE

Recomendadas

Cimeira da NATO: o Ártico é a próxima fronteira

A entrada da Suécia e da Finlândia na NATO, um dos temas centrais da agenda da cimeira da Roménia, transforma o Ártico numa nova zona de conflito potencial. A Rússia lembrou esse perigo, que Jens Stoltenberg conhece bem.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Morreu Jiang Zemin, ex-presidente e um dos construtores da China moderna

Foi um dos obreiros do crescimento económico da China e pretendeu construir um relacionamento estável com os Estados Unidos. Queria uma China a “entrar no mundo”.