Espanhóis impugnam judicialmente concurso para fornecimento de 22 comboios à CP

Espanhóis da CAF eram um dos três concorrentes e avançaram com contestação judicial. Contrato tem um valor de 167,8 milhões de euros.

O grupo espanhol Construcciones Y Auxiliar de Ferrocarriles (CAF) impugnou judicialmente o concurso para o fornecimento de 22 comboios regionais à CP. A ação, no valor de 167,8 milhões de euros, deu entrada na sexta-feira no Tribunal Administrativo de Lisboa, avança o Expresso esta segunda-feira.

A CAF é um dos três grupos finalistas no concurso que a CP lançou no início deste ano, a 7 de janeiro, para a compra das automotoras. Os outros dois são a também espanhola Talgo e a suíça Stadler. As propostas finais foram entregues a 4 de dezembro. Na corrida chegaram a estar também a alemã Siemens e a francesa Alstom. O vencedor deverá ser anunciado em breve.

Das 22 automotoras, 12 são híbridas (de forma a poderem circular nas linhas eletrificadas e nas não eletrificadas) e as outras 10 são elétricas. Estava previsto que os novos comboios chegassem a partir de 2023 mas este processo de contencioso pré-contratual poderá atrasar o fornecimento dos comboios, escreve o jornal.

Recomendadas

BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Rogério Carapuça: “Há que estar entre os primeiros, não ser o primeiro dos últimos”

O presidente da APDC considera que o desenvolvimento do sector das TIC se dá a um ritmo saudável apesar dos obstáculos concretos que ainda impedem o país de estar entre os melhores classificados. A capacitação e qualificação das pessoas e das empresas são desafios no topo da agenda, mas a simplificação é palavra de ordem para abandonar o paradigma da burocracia que assombra os serviços públicos, alerta Rogério Carapuça.
Comentários