Especial França: Um parceiro premium

Portugal e França mantêm laços históricos seculares e relações económicas privilegiadas. Uma edição especial para acompanhar no OJE ao longo das semanas.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Portugal e França mantêm laços históricos seculares e relações económicas privilegiadas.

Uma proximidade que se estende ao investimento. Portugal é, desde há muito, um destino preferencial para as empresas gaulesas.

Em 2010, por exemplo, a França ocupou o primeiro lugar no ranking dos países emissores de investimento direto estrangeiro em Portugal. Nos dois últimos anos foi segundo.

“O investimento francês em Portugal está em segundo lugar, somente atrás do investimento espanhol, e pode-se desenvolver ainda mais”, vincou o deputado luso-descendente, Carlos da Silva, que há cerca de seis meses acompanhou o primeiro-ministro Manuel Valls a Lisboa, onde este governante reafirmou o apoio ao parceiro português: “Outros investimentos são possíveis”.

Na atualidade, segundo contabilizou Valls, são cerca de 750 as empresas francesas instaladas no nosso país, que garantem um volume de vendas na casa dos 9,5 mil milhões de euros e asseguram 58 mil empregos. O investimento francês é maioritariamente no setor dos serviços, seguindo-se o comércio e a indústria.

E se a compra da PT Portugal pela Altice, o negócio mais recente envolvendo uma empresa francesa, é estrategicamente importante, o que dizer da entrada da Vinci na gestora aeroportuária ANA?


Especial OJE França I. 15 de outubro de 2015

Descarregue aqui a primeira edição do Especial França (PDF), suplemento do semanário OJE, de 15 de outubro de 2015

 

Especial OJE França II. 22 de outubro de 2015

Descarregue aqui a segunda edição do Especial França (PDF), suplemento do semanário OJE, de 22 de outubro de 2015

 

Especial OJE França III. 30 de outubro de 2015

Descarregue aqui a terceira edição do Especial França (PDF), suplemento do semanário OJE, de 30 de outubro de 2015

 

Especial OJE França IV. 6 de novembro de 2015

Descarregue aqui a quarta edição do Especial França (PDF), suplemento do semanário OJE, de 6 de novembro de 2015

 

Especial OJE França V. 4 de dezembro de 2015

Descarregue aqui a quinta edição do Especial França (PDF), suplemento do semanário OJE, de 4 de dezembro de 2015


Já na indústria, a Alstom é, provavelmente, o nome mais conhecido. O estudo “Produzir em Portugal. O caso das empresas francesas”, divulgado há meses, fez o retrato das empresas francesas que operam em Portugal: São lucrativas, têm bons desempenhos, fortaleceram a sua posição estratégica e até admitem aumentar o emprego. A maior parte manifestava visão de futuro, com intenções de investimento elevadas. O stock atual do investimento direto francês em Portugal é de 4 mil milhões de euros, segundo o banco central.

O mesmo, porém, não se pode dizer do investimento direto português em França. Nesta vertente “ainda há “muito para melhorar”, acentuou Manuel Valls. Na ocasião, apelando aos investidores portugueses, o governante deu como exemplo a empresa Renova, que escolheu a cidade de Auvergne para abrir a sua primeira fábrica no estrangeiro. Segundo dados que revelou, há em França apenas duas centenas de empresas portuguesas, que dão trabalho a 3500 pessoas.

Por Almerinda Romeira/OJE

Nota: Publicado originalmente em 14 de outubro de 2015, pelas 23:59:29

Nota: Atualizado a 26 de outubro com o link para a segunda edição do Especial França

Nota: Atualizado a 23 de dezembro com o links para as 3ª, 4ª e 5ª edição do Especial França

Recomendadas

Brittney Griner libertada pela Rússia em troca de prisioneiros com os EUA

A basquetebolista norte-americana estava presa desde agosto. Os norte-americanos soltaram o negociante de armas Viktor Bout, mais conhecido como “comerciante da morte”, que esteve preso nos EUA durante 12 anos.

Bruxelas quer que plataformas passem a cobrar IVA para evitar concorrência desleal

De acordo com as atuais regras de IVA, são os próprios prestadores de serviço – sejam motoristas ou donos de alojamento local – que são obrigados a coletar o IVA e a remiti-lo para as autoridades tributárias do seu país.

Alemanha e França condenam regime iraniano pela execução de manifestante

Este homem, Mohsen Shekari, “foi julgado e executado num julgamento pérfido e precipitado, porque não concordava com o regime”, declarou a chefe da diplomacia alemã, acrescentando que a ameaça de execução “não sufocará a vontade de liberdade das pessoas”.