Premium“Espera-se uma recuperação acima do que a economia cresceu em 2019”, diz professor da Nova SBE

Pedro Brinca acredita que Portugal tem margem orçamental para um apoio mais forte à economia, mas “tem dúvidas” que essa será a opção política.

Pedro Brinca, professor da Nova SBE, acredita que o crescimento do PIB do segundo trimestre será provavelmente o maior registado em várias décadas. Diz que Portugal tem condições para ter um défice que permita um apoio mais forte à economia no próximo ano, mas tem “dúvidas que será essa a opção política a ser tomada”.

Um estudo recente do BdP estima que na ausência dos estabilizadores automáticos
e das medidas orçamentais o PIB teria caído 11% no ano passado. Dada a informação conhecida até à data, considera que a projeção do Governo para o PIB de 4% para este ano é realista?
As projeções trazem consigo uma enorme incerteza associada. Primeiro, porque os modelos de previsão baseiam-se muito na premissa de que o passado pode ser usado para prever o futuro. Isto tem limitações óbvias quando estamos a falar de dinâmicas económicas num cenário pandémico sem qualquer histórico. Acredito que haja um crescimento considerável por dois fatores: primeiro, 2021 parte de uma base baixa, dado a contração histórica observada em 2020; em segundo lugar as pessoas e as empresas já se adaptaram bastante a operar em pandemia. Comparando os dois períodos de confinamento em 2020 e 2021, o indicador diário de atividade económica do BdP sugere uma quebra em 2021 cerca de 40% inferior ao observado em 2020. Por isso sim, espera-se uma recuperação forte este ano, bastante acima do que a economia portuguesa cresceu em 2019.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

China diz que EUA estão a enviar “sinais perigosos” sobre Taiwan

O ministro dos Negócios Estrangeiros chinês deixou claro que uma escalada das atividades independentistas torna difícil um acordo pacífico, no que diz respeito a Taiwan,

Vieira da Silva desaconselha mudança da lei das pensões. “É mais sensato suspender”

Para o ex-ministro Vieira da Silva, seria mais sensato suspender a lei da atualização das pensões, não sendo este o momento para proceder a alterações à fórmula legal.

Médicos dão prazo de duas semanas para Ministério da Saúde marcar reunião

“Já fizemos seguir o pedido de reunião ao senhor ministro [da Saúde, Manuel Pizarro] e solicitámos que essa reunião se desenvolva com a celeridade que deve e estabelecemos um limite para nas próximas duas semanas sermos convocados para essa reunião”, adiantou Noel Carrilho.
Comentários