“Esperamos um ligeiro agravamento do malparado em Portugal este ano”, diz Bankinter Espanha

O rácio de malparado da sucursal do Bankinter Portugal é baixo, estando em 2022, nos 1,30%. Mas a administração do grupo espanhol admite que espera uma deterioração moderada este ano devido à conjuntura. Banco afasta subida generalizada dos juros dos depósitos.

A administração do grupo Bankinter apresentou hoje, em conferência de imprensa, os seus resultados de 2022 e neles os números da atividade da sucursal em Portugal. Numa apresentação feita pela CEO, María Dolores Dancausa, e pelo CFO, Jacob Diaz, o banco falou do potencial aumento do risco da carteira de crédito fruto da conjuntura macroeconómica adversa.

“A carteira de crédito à habitação a taxa variável em Portugal está protegida do ponto de vista do risco e as negociações com os clientes vão ser tratadas como reestruturações regulares” disse, na conferência de imprensa do Bankinter, o administrador financeiro Jacob Diaz, quando questionado sobre se a reestruturação ao abrigo do diploma do Governo vai dar direito a marcar os clientes como de risco. “De qualquer maneira ainda não tivémos pedidos de reestruturação relevantes”, disse.

O administrador financeiro referiu que, mesmo em Espanha, os pedidos de adesão às medidas de apoio governamental são reduzidas.

O rácio de crédito malparado em Portugal é de 1,3%, revelou a administração do Bankinter. “Esperamos que este ano o rácio seja um pouco pior por causa da subida dos juros (e por causa do impacto da inflação)”, disse Jacob Diaz na conferência de imprensa.

Sobre o custo do risco de crédito o administrador do Bankinter referiu que a nível do grupo espanhol em 2022 este rácio fixou-se em 0,35% e que esperam este ano um agravamento ligeiro para os 0,40%. Isto para dizer que a subida das novas imparidades para crédito para 2023 em Portugal ou no grupo consolidado não preocupam excessivamente a instituição.

As provisões consumiram a subida dos resultados em Portugal em 2022, que sem elas teriam crescido 47% para 96 milhões. O Bankinter Portugal reforçou as provisões para riscos em 22% para 19 milhões de euros.

A sucursal Bankinter Portugal apresentou resultados antes de impostos de 78 milhões de euros, mais 54% do que em 2021.

Sobre a subida dos depósitos em Portugal o administrador do Bankinter espanhol diz que será analisado caso a caso em função das necessidades dos clientes, podendo passar pela oferta de produtos vários que ofereçam mais rentabilidade. Não avançando assim com uma subida generalizada dos depósitos.

O Bankinter Portugal revelou ainda que melhorou o rácio de eficiência que mede os custos sobre os proveitos de 56,8% para 49,5%.

A margem financeira cresceu 35% para 133 milhões de euros. A receita de comissões avançou 8% face a 2021 para 66 milhões de euros. Mas os custos também subiram, embora menos que as receitas, o que explica a melhoria da eficiência. Os custos da sucursal em Portugal subiram 9% para 94 milhões de euros.

“Nos vários países em que o Bankinter opera, o resultado pode definir-se como muito positivo. Este é o caso de Portugal, onde o volume de negócio gerido não deixou de crescer desde a chegada do banco ao país”, revela o banco espanhol.

“A conta de resultados do Bankinter Portugal obtém em 2022 indicadores muito relevantes, com base num crescimento da margem de juros de 35%, 25% da margem bruta e 47% da margem antes de provisões. Tudo isto se traduz num resultado antes de impostos de 78 milhões de euros, 54% superior ao de 2021”, detalha o Bankinter que está hoje a apresentar os seus resultados anuais.

Somando os recursos de balanço, recursos fora de balanço e o crédito, o Bankinter Portugal alcança os 18.200 milhões de euros de volume de negócio, o que traduz uma subida de 6% face a 2021 e compara com os 11.400 milhões de euros de 2017 (+59,6%), altura em que o Bankinter comprou a operação em Portugal.

Crédito cresceu 15% para 8 mil milhões de euros e os recursos de clientes subiram 9% para os 6.400 milhões

O Bankinter Portugal reporta 8 mil milhões de euros de crédito em 2022, crescendo 15% face a 2021. O que inclui 5,6 mil milhões de banca comercial (+13% num ano) e 2,4 mil milhões na banca de empresas (uma área que foi criada de raiz em 2017) traduzindo uma subida anual de 20%.

A captação de recursos de clientes em 2022 somou 6,4 mil milhões de euros traduzindo uma subida anual de 9% face a 2021, dos quais 3,9 mil milhões são recursos fora do balanço, menos 10% do que em 2021.

O grupo espanhol apresentou ainda os dados do Bankinter Consumer Finance que inclui a atividade em Portugal, Irlanda e naturalmente em Espanha. Aqui a carteira de crédito soma já 5,5 milhões de euros (+55%), dos quais 1,6 milhões de euros são hipotecas na Irlanda e o resto, negócio de consumo. Há 2,6 milhões de euros em empréstimos ao consumo e no negócio de cartões nas suas diversas modalidades.

Dos 5,5 mil milhões de euros há três mil milhões de nova produção. O custo do risco de crédito do Bankinter Consumer Finance é de 2,5% e o rácio de crédito malparado é de 4,2%. O rácio de eficiência do banco de crédito ao consumo é de 29%.

A presidente do grupo espanhol Maria Dolores Dancausa voltou a dizer que “não temos nenhuma intenção de comprar um banco em Portugal”, frisando a intenção de manter a política de crescimento orgânico.

A CEO do grupo Bankinter disse ainda que em Portugal já estão a fazer operações de banca de investimento, acabaram de adquirir o Atrium Saldanha e “estamos a estudar outros veículos em que também vamos participar”.

“O Bankinter Portugal vai ser muito ativo em colocar nos clientes este tipo de investimentos alternativos”, disse María Dolores Dancausa.

Recomendadas

MDS compra mediadora Pacific Insurance

A MDS comprou a Pacific Insurance e desta forma anexa 4 milhões de euros em prémios à sua carteira de seguros.

“Não vejo as fintech como uma grande ameaça à banca”. Veja a entrevista ao CEO da Nickel, Thomas Courtois

A Nickel quer abrir 2.500 balcões e alcançar 450 mil clientes em Portugal nos próximos cinco anos, mas o CEO da fintech francesa não se compromete a manter a anuidade de 20,80 para sempre. A crise na banca abriu a porta a novos players, mas coexistência é possível, diz em entrevista à JE TV.

Justiça suíça abre processo sobre fuga de informação no Credit Suisse

Em fevereiro de 2022 foram expostas mais de 18 mil contas do Credit Suisse que estarão ligadas a empresários sobre os quais recaem sanções ligadas à violação dos direitos humanos, e pessoas envolvidas em esquemas de fraude.
Comentários