“Espiral de especulação a pretexto da guerra vai garantir lucros amassados aos grupos económicos”, acusa Jerónimo de Sousa

“Em nome das sanções e a pretexto da guerra, aí está uma espiral de especulação, de novos argumentos para justificar a exploração, agravando as condições de vida, aumentando as injustiças e garantindo aos grupos económicos lucros amassados, à custa da perda do poder de compra dos trabalhadores e do povo”, lamentou o secretário-geral do PCP na cidade da Horta, nos Açores.

Tiago Petinga/Lusa

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, alertou hoje para os possíveis “cortes nos salários e nas pensões” dos portugueses, por via do aumento da inflação e da recusa do Governo da República em atualizar remunerações.

“Que cada um tenha consciência de que, por exemplo, para um salário ou reforma de 800 euros, se a inflação se ficar pelos 5%, e talvez galope esse número, o corte será de 40 euros, por via da sua desvalorização real”, advertiu o líder nacional dos comunistas, na sessão de encerramento do XI Congresso Regional do PCP, realizado na cidade da Horta, nos Açores.

Segundo Jerónimo de Sousa, além da perda do poder de compra dos portugueses, está também em curso uma “espiral de especulação”, em várias áreas, por via da crise financeira mundial originada pela guerra entre a Rússia e Ucrânia.

“Em nome das sanções e a pretexto da guerra, aí está uma espiral de especulação, de novos argumentos para justificar a exploração, agravando as condições de vida, aumentando as injustiças e garantindo aos grupos económicos lucros amassados, à custa da perda do poder de compra dos trabalhadores e do povo”, lamentou o secretário-geral do PCP.

O líder nacional dos comunistas acusou também o primeiro-ministro, António Costa, de ser responsável pelo agravamento da crise em Portugal, ao não aceitar, por exemplo, a proposta do PCP, de tabelar os preços máximos dos combustíveis em Portugal.

“Quando recusou as propostas do PCP, o PS sabia e sabe qual será o resultado: colocar as receitas fiscais a financiar os lucros das petrolíferas”, frisou Jerónimo de Sousa, acrescentando que, desta forma, as empresas de combustíveis aproveitam-se para “aumentar ainda mais os preços, salvaguardando os seus lucros escandalosos”.

O secretário-geral do PCP explicou também, durante o XI Congresso Regional do partido, que o PCP é “contra a guerra” e “pela paz”, criticando aqueles que, sendo também contra a guerra, entram na contradição de defenderem, ao mesmo tempo, um reforço de meios militares, para acabar com o conflito entre a Rússia e Ucrânia.

Durante o Congresso do PCP/Açores, que decorreu no sábado e domingo na ilha do Faial, os 40 congressistas elegeram Marco Varela como coordenador regional do partido.

Relacionadas

Declarações “antidemocráticas”. PCP responde a críticas de associação de refugiados ucranianos (com áudio)

Na sequência das afirmações do presidente da associação Refugiados Ucranianos, o PCP pede que os órgãos de soberania assumam uma posição de forma a que não possam ser tomados como cúmplices.

“Em Portugal, existe o fenómeno de trabalhar e empobrecer ao mesmo tempo, não pode ser”, diz líder do PCP

Jerónimo de Sousa diz que só a “valorização dos salários” é suficiente para dar resposta ao aumento dos preços. O PCP garante que vai apoiar a CGTP na “luta dos trabalhadores”.
Recomendadas

PremiumGoverno prepara ações para ter mais portugueses na Comissão Europeia

Representação portuguesa está um terço abaixo do que devia e pode cair ainda mais, com reformas. Governo elegeu esta como uma das prioridades da Secretaria de Estado dos Assuntos Europeus.

PremiumLei laboral arrisca sair da Concertação sem acordo

A Agenda do Trabalho Digno está de volta à Concertação Social, mas será difícil obter um resultado diferente do obtido no final de 2021, isto é, patrões e sindicatos deixam sinais de que o acordo não está à vista.

Bloco acusa Governo de abandonar objetivo de médico de família para todos

“Dois meses de maioria absoluta e o Governo mal apresenta o seu programa e abandona o objetivo de garantir a todas as pessoas em Portugal acesso a médico de família”, acusa Catarina Martins.
Comentários