PremiumEsquerda quer mais salário mínimo, direita não se compromete

À esquerda, fixaram-se objetivos para o salário mínimo, com promessa de aumentos entre 20,5% e 46,3%, indiciando que este continuará a ser tema de negociação. À direita, não se estabelecem compromissos e, no caso do CDS-PPe do Chega, nem são feitas referências.

Os partidos da esquerda do espectro político estabelecem objetivos concretos para o aumento do salário mínimo nacional, nos programas com que se apresentam às eleições legislativas de 30 de janeiro, enquanto os partidos da direita não definem valores ou, simplesmente, não fazem qualquer referência a um tema que foi, a par da legislação laboral, central para a manutenção da “geringonça”, assim como causa de tensão com as confederações patronais, em sede de concertação social.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Galp dispara mais de 2,5% depois de Andy Brown anunciar saída

O gestor britânico vai sair menos de dois anos depois de ter chegado à empresa para substituir Carlos Gomes da Silva que saiu antes do final do mandato.

Califórnia recebe eventos para americanos interessados em viver em Portugal

“O alvo é quem está interessado em mudar-se para Portugal para viver”, disse à Lusa Bruce Hawker, CEO da Open Media. “Desde uma pessoa que está prestes a reformar-se ao nómada digital que quer ir trabalhar remotamente, a alguém que esteja interessado em criar uma startup em Portugal ou famílias com crianças”, indicou o responsável. 

Andy Brown deixa presidência executiva da Galp no final do ano

Andy Brown destacou, citado na nota, que aceitou “com grande honra o convite para completar o mandato 2019-2022 com o objetivo de preparar a companhia para um futuro de sucesso em tempos de grandes desafios para o sector”.
Comentários