A quem está a Rússia a tentar vender os cereais roubados na Ucrânia?

Os EUA alegam que a Rússia está a tentar vender trigo ucraniano roubado aos países africanos afetados pela seca.

A Rússia está a ser acusada de enviar cereais da Ucrânia para o estrangeiro, de acordo com a “BBC”, que cita funcionários ucranianos.

A Rússia já rejeitou as acusações de que é alvo, negando estar a roubar os cereais retidos nos portos do país vizinho.

Em causa estão cerca de 600 mil toneladas de cereais, sendo que uma parte poderá ter sido já exportada, de acordo com as mesmas fontes ucranianas, apesar de a estação não ter conseguido verificar a informação.

O acesso aos cereais armazenados na Ucrânia tornou-se urgente a nível internacional: milhões de toneladas são exportadas anualmente para África e o Médio Oriente.

De acordo com a Rússia, a Ucrânia tem de desmineralizar as águas ao largo da costa do Mar Negro para que os corredores de exportação de cereais se tornem operacionais.

Os EUA alegam que a Rússia está a tentar vender trigo ucraniano roubado aos países africanos afetados pela seca, informou o New York Times.

Em meados de maio, os EUA enviaram um alerta a 14 países, principalmente em África, de que os cargueiros russos estavam a deixar portos perto da Ucrânia carregados com grão, segundo o mesmo jornal.

Volodymyr Zelensky afirmou esta quinta-feira que milhões de pessoas podem morrer de fome por causa do bloqueio da Rússia aos portos ucranianos do Mar Negro.

Em comunicado, o presidente ucraniano voltou a alertar que o mundo está à beira de uma “terrível crise alimentar”, com a Ucrânia incapaz de exportar grandes quantidades de trigo, milho, petróleo e outros produtos que desempenham um “papel estabilizador no mercado global”.

“Isso significa que, infelizmente, pode haver uma escassez física de produtos em dezenas de países ao redor do mundo. Milhões de pessoas podem morrer de fome se o bloqueio russo ao Mar Negro continuar”, disse o presidente ucraniano.

Recomendadas

Zelenskiy alerta membros da NATO que Moscovo procura “nova ordem mundial”

“Esta não é uma guerra travada pela Rússia apenas contra a Ucrânia. Esta é uma guerra pelo direito de ditar as condições na Europa e como será a futura ordem mundial”, afirmou Zelenskiy num discurso por videoconferência durante a cimeira da NATO em Madrid.

PM britânico diz que invasão da Ucrânia é exemplo de “masculinidade tóxica” de Putin (com áudio)

Durante a cimeira da NATO em Madrid, marcada pela guerra na Ucrânia, Johnson garantiu que a Rússia não teria iniciado o conflito caso estivesse uma mulher no lugar de Putin à frente do Kremlin. 

Revista de imprensa internacional: as notícias que estão a marcar a atualidade global

Turquia levanta veto à adesão da Finlândia e da Suécia à NATO; Stoltenberg espera que Suécia e Finlândia se tornem membros da NATO rapidamente; Independência da Escócia: 19 de outubro de 2023 proposto como data para novo referendo
Comentários