“Está a ser feito tudo para minorar os efeitos”, diz CEO da EDP sobre a depressão Elsa

As cidades mais afetadas no fornecimento de eltricidade foram Viana, Braga, Aveiro, Porto, região litoral da zona centro, distritos de Coimbra e de Leiria.

André Kosters/Lusa

A EDP tem 500 pessoas no terreno para minorizar os efeitos da depressão Elsa, que está esta quinta-feira a afectar várias cidades de Portugal continental, afirmou António Mexia, CEO da empresa.

“Está a ser tudo feito para minorar os efeitos”; disse Mexia, em conferência de imprensa.

Num balanço sobre os impactos da tempestade na rede elétrica, o administrador responsável pela EDP Distribuição diz que houve “milhares” de pessoas ao longo do dia de hoje que ficaram sem eletricidade, e que à medida que a energia vai sendo reposta num local, fica a faltar noutro local

João Marques da Cruz apontou que, numa primeira fase, as cidades mais afetadas foram Viana, Braga, Aveiro e Porto. Depois, os impactos fizeram-se sentir mais na região litoral da zona centro, distrito de Coimbra e de Leiria,

O responsável apontou que a tempestade está agora a rumar a sul, e vai atingir as “regiões mais para sul, região de Lisboa”, destacando que esta “noite é o período mais crítico”, conforme os boletins meteorológicos.

 

Relacionadas

EDP garante que não haverá despedimentos nas seis barragens vendidas

A companhia emprega 50 trabalhadores nestas seis barragens localizadas na bacia do Douro.

Mexia diz que venda de seis barragens “mostra que a EDP está a reduzir o risco”

“Para isto contribui não só donde saímos, mas também onde entramos. E onde é que entramos? Foi no solar, foi na Colômbia, foi nos vários contratos que ganhamos na energia renovável no Estados Unidos em outubro de mais de 1.000 megawatts”, sublinhou o CEO da energética.

EDP vende seis centrais hídricas por 2,2 mil milhões a consórcio da Engie, Credit Agricole e Natixis

As centrais hídricas em processo de alienação totalizam 1.689 megawatts de capacidade instalada e localizam-se na bacia hidrográfica do rio Douro. A transação tem como objectivo “a optimização do portefólio, reduzindo a exposição à volatilidade hídrica e de preço de mercado”, referiu a energética.
Recomendadas

“2023 será um ano de crescimento nos mercados externos”

O Grupo VAA tem como objetivo globalizar as suas duas marcas principais, Vista Alegre e Bordallo Pinheiro, e identificou sete mercados estratégicos onde está a apostar, explica Nuno Barra.

“Empresas arriscam sozinhas a entrada em mercados pela fraca dinamização e falta de apoio”

Mais de mil empresas participaram no Portugal Exportador no dia 23, orientado para a estratégia de internacionalização.

Rampa Digital dá consultoria às empresas sobre negócios no online

Associação .PT, gestora do domínio web português, quis estar perto das empresas que estão em processo de internacionalização.
Comentários