“Está na altura de falar a sério”. Guterres pede aos países para fazerem “muito mais” para combater alterações climáticas

“Está na altura de falar a sério”, afirmou o líder das Nações Unidas, apelando aos maiores emissores para cumprirem as suas promessas ou “todas as próximas gerações pagarão um preço incomportável”.

António Guterres

O secretário geral das Nações Unidas, António Guterres, exortou hoje os países que emitem mais gases com efeito de estufa a fazerem “muito mais” para as diminuir, ou todos os esforços para combater alterações climáticas serão prejudicados.

Falando num plenário da 25.ª Conferência das Partes (COP25) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, António Guterres considerou que os países responsáveis por mais emissões deverão ser a prioridade nos próximos 12 meses, até à COP26, em que os países signatários do Acordo de Paris terão de anunciar a revisão dos seus compromissos.

“Está na altura de falar a sério”, afirmou o líder das Nações Unidas, apelando aos maiores emissores para cumprirem as suas promessas ou “todas as próximas gerações pagarão um preço incomportável”.

António Guterres afirmou que a conferência está a mostrar “quem cumpre e quem não cumpre”.

Relacionadas

Von der Leyen quer nova norma para tornar transição climática irreversível

Para quem está sempre a pensar no custo das medidas que serão implantadas, Ursula von der Leyen sustenta que “devemos ter sempre em mente, o quanto mais nos vai custar se não atuarmos agora”.

Passes, energia renovável e eficiência. Os truques de Medina para combater as alterações climáticas

“Olhando para os dados, os últimos anos foram os mais quentes de que há registo”, afirmando que esta é uma das realidades mais visíveis no nosso país, que tem enfrentado secas extremas, incêndios e cheias. 
Recomendadas

Músicos afegãos refugiados apresentam-se hoje ao vivo no festival Iminente em Lisboa

 Na génese deste projeto está a cooperativa cultural Largo Residências, de Lisboa, distinguida no ano passado com o prémio da Acesso Cultura na categoria de Acessibilidade Social.

Portugal está na frente na diretiva sobre plásticos de uso único

“Portugal está no pelotão da frente porque já transpôs grande parte” da diretiva e propôs até medidas bastante ambiciosas, por exemplo, em termos de redução de copos de bebidas e embalagens de plástico para ´take away´ (redução de 80% até final de 2026 e de 90% até 2030, tendo por referência os valores de 2022), diz o comunicado da Zero.
Comentários