Estabilidade financeira de Macau passa ao lado de quebra no jogo

O secretário para a Economia e Finanças de Macau, Francis Tam, defende que as quebras da receita do jogo sentidas nos últimos meses já eram esperadas pelo governo e não afetam a estabilidade financeira do território. “Em outubro, a receita do imposto de jogo registou, comparativamente ao mesmo mês do ano passado, uma quebra mais […]

O secretário para a Economia e Finanças de Macau, Francis Tam, defende que as quebras da receita do jogo sentidas nos últimos meses já eram esperadas pelo governo e não afetam a estabilidade financeira do território.

“Em outubro, a receita do imposto de jogo registou, comparativamente ao mesmo mês do ano passado, uma quebra mais de 20%, que é aproximada à previsão do mercado, e embora esta receita registasse uma redução consecutiva durante os últimos cinco meses, esta situação corresponde à previsão do governo sobre o fenómeno de desaceleração económica”, refere um comunicado que cita Francis Tam.

A mesma nota refere que o governo “acredita que [a desaceleração económica] se vai se manter num período bastante longo”.

O secretário salientou que “a atitude do governo no âmbito das despesas públicas é prudente e, devido à suficiente reserva financeira, uma possível diminuição da receita do imposto de jogo não afeta a estabilidade financeira do governo”.

“A receita do governo deste ano é similar à do ano passado, e a elaboração do orçamento para o próximo ano já foi concluída. Além disso, o governo mantém-se otimista para a receita do próximo ano, contudo, tratará prudentemente das despesas públicas”, adiantou.

Para Francis Tam, “face à atual instabilidade no âmbito económico, é difícil reduzir as despesas nas áreas de assistência social e dos assuntos relativos à vida da população por isso, o governo continua a ponderar um aperfeiçoamento possível de ação social complementar”.

 

OJE/Lusa

Recomendadas

Irão: Impacto das sanções dos EUA prejudica cooperação com Portugal

Mortza Damanpak Jami destaca que as relações comerciais podem sair afetadas, mas as culturais têm-se desenvolvido, com “muitas oportunidades e muitos programas ligados à cultura”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.

Respostas rápidas: é assim que pode ir para a reforma antes dos 66 anos e sete meses

Não tem 66 anos e sete meses, mas quer ir para a reforma? Há vários regimes que permitem a antecipação da pensão de velhice. O Jornal Económico explica, com base num guia do ComparaJá.