Estações do Metro de Lisboa fechadas devido à greve dos trabalhadores (com áudio)

As estações do Metropolitano de Lisboa estão fechadas devido à greve parcial dos trabalhadores que às 06h35 registava uma adesão de cerca de 100%”, segundo Anabela Carvalheira, da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações.

Metro de Lisboa

Anabela Carvalheira disse esta quarta-feira de manhã à Lusa que a paralisação, a oitava desde o início do ano, tinha às 06h35 uma adesão de cerca de 100%, adiantando que já foram entregues na terça-feira pré-avisos de greve para os dias 18 e 27 deste mês entre as 05h00 e as 09h00.

“[O pré-aviso de greve] tem a ver com as condições de trabalho, a falta de efetivos e o clima por parte da direção relativamente aos trabalhadores”, referiu.

Os trabalhadores do ML cumprem, assim, esta quarta-feira, uma nova greve parcial, entre as 05h00 e as 09h00, devido à falta de condições de trabalho na área operacional, devendo a circulação ser retomada a partir das 09h30.

Normalmente, o metro funciona entre as 06h30 e a 01h00.

Em comunicado divulgado na terça-feira, a transportadora refere que, como se prevê que a circulação fique afetada, “o serviço de transporte terá início a partir das 09h30”.

Em declarações à Lusa, Anabela Carvalheira, da Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações (Fectrans), explicou que a paralisação assenta nos mesmos motivos das duas greves parciais realizadas em março e nos passados dias 14, 22 e 29 de abril.

Em causa, explicou, está uma área da empresa que “representa os trabalhadores maquinistas e os trabalhadores chefia do posto de comando central”.

Na prática, segundo a Fectrans, trata-se de uma “situação desregrada quer de horários, quer de falta de trabalhadores e más condições de trabalho”, a que se soma “a grande prepotência por parte da direção, que leva a que os trabalhadores estejam a atingir o limite de cansaço”.

O Metropolitano de Lisboa diariamente opera com quatro linhas: Amarela (Rato-Odivelas), Verde (Telheiras-Cais do Sodré), Azul (Reboleira-Santa Apolónia) e Vermelha (Aeroporto-São Sebastião).

Recomendadas

CEO da Electronic IDentification: “Estivemos quase a desaparecer duas ou três vezes”

Iván Nabalón, fundador e CEO da Electronic IDentification, conta ao JE como quer aumentar os clientes digitais dos bancos e seguradoras.

Uberização do mercado das entregas deverá continuar a crescer

Empresas que trabalham para o sector da logística e transporte acreditam que a concorrência das plataformas digitais veio para ficar.

Navigator paga dividendo de 0,1406 euros por ação a 7 de junho

A partir do dia 3 de junho (inclusive), as ações serão transacionadas em mercado regulamentado sem conferirem direito ao dividendo, diz a empresa.
Comentários