Estado alemão sai da Lufthansa e ganha 760 milhões

O Estado alemão deixou de ser acionista do grupo de companhias aéreas Lufthansa e obteve um lucro de 760 milhões de euros, após ter vendido as ações que detinha, dois anos depois de ter resgatado a empresa devido à pandemia.

O Finanzagentur des Bundes (semelhante ao Tesouro) relatou que “a estabilização da Deutsche Lufthansa foi concluída com sucesso”.

O produto total da venda da participação do Estado na Lufthansa foi de 1.070 milhões de euros e excede o custo de aquisição das ações de 306 milhões de euros, o que dá um ganho de 760 milhões de euros para o Estado alemão.

“Com este balanço satisfatório, o envolvimento do fundo de estabilização económica termina e a empresa está de novo em mãos privadas”, disse a diretora administrativa do Finanzagentur, Jutta Dönges.

O Estado alemão resgatou a Lufthansa em junho de 2020 por 6.000 milhões de euros devido aos problemas que enfrentou depois de as viagens aéreas terem sido proibidas para travar a pandemia do novo coronavírus.

O Estado alemão adquiriu ações por 300 milhões de euros, assumindo uma participação de 20% na companhia aérea, que agora alienou na totalidade.

Estado alemão vende últimas ações da Lufthansa, depois de salvar grupo aéreo da falência

Recomendadas

CGD vai continuar com uma posição de capital acima da média da Europa, diz Paulo Macedo

O presidente da Comissão Executiva da CGD disse hoje que o banco vai continuar com uma das maiores redes de agências e com uma posição de capital acima da média da Europa e acima dos bancos portugueses.

Alliance Healthcare tem um novo CEO

Paulo Clímaco Lilaia é o novo CEO da Alliance Healthcare, anunciou a empresa que  armazena e distribui produtos farmacêuticos, em comunicado.

Unicórnio Feedzai nomeia David Henshall para o conselho de administração

O antigo presidente e CEO da norte-americana Citrix Systems juntou-se à gestão da empresa liderada por Nuno Sebastião, conhecida pela sua plataforma digital de gestão de risco e fraude financeira.
Comentários