PremiumEstado angolano prepara regresso da UNITEL ao sector privado

Depois de se ter tornado sócio maioritário por via da nacionalização de participações acionistas, o Governo angolano avança, mas sem dar grandes novidades. Economista propõe plano de internacionalização focado na SADC e PALOP.

Arrancou esta semana o processo de reprivatização da maior empresa de telecomunicações móveis angolana, UNITEL, em mercado concorrencial, na sequência do processo de apropriação pública das participações sociais que as empresas Vidatel e Geni detinham na Unitel, correspondendo a 50% do capital, “conforme decretos presidenciais n.º 256/22 e 257/22, ambos de 28 de outubro”.

O anúncio, feito pelo Instituto de Gestão de Ativos e Participações do Estado (IGAPE) dá conta da primeira reunião do grupo de trabalho a quem caberá preparar uma proposta de estratégia e cronograma de reprivatização que suporte o despacho presidencial de autorização da reprivatização e norteie a sua implementação. Arrancou esta semana o processo de reprivatização da maior empresa de telecomunicações móveis angolana, UNITEL, em mercado concorrencial, na sequência do processo de apropriação pública das participações sociais que as empresas Vidatel e Geni detinham na Unitel, correspondendo a 50% do capital, “conforme decretos presidenciais n.º 256/22 e 257/22, ambos de 28 de outubro”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Angola arrecadou 1,95 mil milhões de dólares com a venda de diamantes em 2022

Segundo o chefe do departamento de Planeamento do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatísticas do Ministério dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás, Alexandre Garret, do total de diamantes produzidos no ano passado, 8,71 milhões de quilates são provenientes da produção industrial e os restantes da semi-industrial.

Ucrânia. EUA respeitam posição de Moçambique, mas rejeitam neutralidade

“Não podemos ser neutros quando há um país que ataca outro, em particular quando esse país é membro do Conselho de Segurança da ONU”, referiu, numa alusão à Rússia.

Moçambique. EUA querem “redobrar esforços” para combater terrorismo

“Temos de redobrar esforços para repelir o terrorismo e atividades que afetam cidadãos como os de Cabo Delgado e estamos a trabalhar de perto com o Governo sobre esse assunto”, referiu a diplomata em conferência de imprensa antes de deixar a capital moçambicana.
Comentários