Estado arrecada mais 516,4 milhões de euros em impostos até novembro

Estado arrecadou mais de 35.700 milhões de euros em impostos até novembro, um aumento de 516,4 milhões de euros face ao mesmo período de 2015, resultado do aumento da receita com impostos indiretos, segundo a DGO.

Angel Navarrete/Bloomberg

De acordo com a síntese da execução orçamental até novembro divulgada hoje pela Direção-Geral do Orçamento (DGO), o Estado cobrou 35.787 milhões de euros em impostos nos 11 meses deste ano, um aumento de 516,4 milhões de euros (+1,5%) face ao período homólogo.

A DGO explica este aumento com o “desempenho favorável da receita dos impostos indiretos”, que subiram 1.459,9 milhões de euros (7,6%), impulsionados sobretudo pelo crescimento da receita com os impostos sobre os Produtos Petrolíferos (ISP), do Tabaco (IT), sobre o Valor Acrescentado (IVA) e sobre Veículos (ISV).

Por sua vez, a receita com impostos diretos caiu 5,9%, com o Imposto sobre o Rendimento de pessoas Coletivas (IRC) a descer 9,7% (411 milhões de euros) e o Imposto sobre o Rendimento de pessoas Singulares (IRS) a diminuir 4,7% (532,7 milhões de euros).

Recomendadas

Santana Lopes perspetiva ano económico “muito difícil” em 2023

Santana Lopes mencionou também o aumento “escandaloso” de quatro vezes a taxa base do custo da tarifa de tratamento dos resíduos sólidos urbanos a pagar à Empresa de Resíduos Sólidos Urbanos do Centro (ERSUC), cujo acionista base é privado.

Preços da energia em Itália vão subir ainda mais apesar de já estarem elevados

O Executivo de Roma já dedicou este ano 60 mil milhões de euros a medidas para procurar reduzir o impacto da subida destes preços.

Crise/inflação: Costa recusa razões para alarmismo sobre panorama dos créditos à habitação

António Costa procurou assegurar que o seu Governo está “atento” face ao impacto da subida dos juros nas prestações a pagar pelas famílias com créditos à habitação.
Comentários