Estado de emergência leva AMMG a adiar votação do plano e orçamento para 2021 para “data a designar”

O decreto do estado de emergência e o facto de o concelho de Lisboa ser considerado como de risco muito elevado  levou a Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG) adiar a assembleia geral que iria votar e aprovar o plano de ação e orçamento para 2021 para “data a designar”.

Cristina Bernardo

Esta assembleia geral, para a qual ainda não tinha havido convocatória, deveria ter sido feita até ao final do mês de dezembro. Mas, como entre o anúncio da convocatória e a assembleia geral têm de passar quinze dias, e tendo em conta as medidas restritivas de mobilidade e o respeito pelas regras de segurança sanitária em vigor no concelho de Lisboa, este prazo não poderia ser cumprido.

A data da próxima assembleia geral deverá ser comunicada em janeiro de 2021.

Numa nota à qual o JE teve acesso, assinada por Vítor Melícia Lopes, presidente da mesa da assembleia geral, com data desta terça-feira, lê-se que “o acto corporativo em referência” não poderá realizar-se dentro do prazo marcado “salvo se houver alteração da qualificação” do concelho de Lisboa enquanto concelho de risco muito elevado.

A nota esclarece que a alteração dessa qualificação só poderá ocorrer depois do dia 24 de dezembro. Ora, “dada a conjugação do dia 24 com dias não úteis, não será possível obter até ao fim do ano informação sobre a evolução do estado de emergência, a tempo de poder convocar a assembleia dentro do prazo legal”.

“Nestes termos, deverá a assembleia realizar-se em data a designar oportunamente, logo que seja ultrapassada esta situação de força maior e existam condições para a realizar em segurança”, conclui a nota.

Relacionadas

Grupo de associados da AMMG defende criação de fundo para ‘parquear’ ativos não rentáveis do Banco Montepio

Grupo de associados da Associação Mutualista Montepio Geral apela ao Governo para encontrar soluções atempadas para salvar grupo Montepio do colapso, que podem passar pela transferência de ativos do Banco Montepio para um veículo e por um aumento de capital. O grupo aponta o dedo a Virgílio Lima, que diz ser “parte do problema”, e responsabiliza o Governo, o Banco de Portugal e Tomás Correia pela situação atual do grupo Montepio.

AMMG prepara solução interna para substituir administração de Virgílio Lima

A Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG) está a trabalhar numa solução interna para alterar e suceder a administração liderada por Virgílio Lima.

PremiumVeículo de ativos do Montepio poderá implicar aumento de capital

Mutualista quer evitar que a transferência de ativos do Banco Montepio para um veículo implique um aumento de capital do banco. Mas vai depender do preço a que os ativos passam para o veículo.
Recomendadas

Montepio aumenta para 1,25 mil milhões a emissão de obrigações hipotecárias que vencem em 2026

Na prática, é um reforço da emissão, mas em concreto o banco liderado por Pedro Leitão anuncia a ficha de uma nova emissão de 750 milhões de euros que são fungíveis com os 500 milhões já emitidos, pelo que no final a emissão total sobe para 1.250 milhões de euros.

“Falar Direito”. “Diploma da renegociação cria ónus sobre bancos que têm crédito à habitação”

O advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, explica quais são, na sua perspetiva, os dois principais problemas associados ao novo diploma relativo à renegociação de créditos.

Renegociação de créditos: o que muda com a nova lei? Ouça o “Falar Direito”

O advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, explica o que muda para consumidores e banca com a entrada em vigor do novo diploma relativo à renegociação de créditos.
Comentários