Estado financiou 5 milhões de euros à Raríssimas em cinco anos

Em causa estão os 2,7 milhões de euros da Segurança Social e 2,3 milhões de euros do Ministério da Saúde.

O Estado português financiou 5 milhões de euros à associação Raríssimas – Associação de Deficiências Mentais e Raras – nos últimos cinco anos, o que corresponde a cerca de 25% do orçamento dessa instituição, revela o Diário de Notícias esta quarta-feira.

A Raríssimas recebeu mais de 2,7 milhões de euros, entre 2013 e 2017, através da Segurança Social, só no âmbito Ministério do Trabalho e Segurança Social, avançou ontem o “Público”. Já segundo o “Correio da Manhã”, esse valor aumenta para quatro milhões de euros, desde 2010, ao abrigo de apoios protocolares.

A este valor juntam-se agora os números obtidos pelo DN no Ministério da Saúde, que dão conta de outros 2,3 milhões de euros. De acordo com o que apurou o matutino junto da tutela, desde 2008, a associação recebeu cerca de 3,36 milhões de euros do Ministério da Saúde.

De acordo com uma reportagem da TVI, transmitida no último fim de semana, a presidente da Raríssimas recebia um salário base de 3.000 euros mensais, a que acresciam 1.300 euros em ajudas de custo, bem como 816,67 euros de um plano poupança-reforma e ainda 1.500 euros para deslocações.

A estes valores juntava-se ainda o aluguer de um carro com o valor mensal de 921,59 euros, bem como compras de ordem pessoal que Paula Brito Costa faria com o cartão de crédito da associação. Uma fatura de um vestido de 228 euros ou de uma despesa de 364 euros em compras de supermercado, dos quais 230 euros diziam respeito a gambas, são alguns dos documentos facultados à TVI por antigos funcionários da Raríssimas.

Relacionadas

Petição para saída da presidente da Raríssimas reúne mais de 9.430 assinaturas

No final da tarde de ontem, o abaixo-assinado “Demissão imediata da Presidente da associação Raríssimas, Paula Brito e Costa o seu filho e marido” contava com mais de 4 mil assinantes.

Raríssimas é alvo de investigação do Ministério Público desde novembro

A primeira reação oficial às irregularidades descobertas pela TVI surgiu no domingo. Em comunicado, o Ministério da Segurança Social comunicou que vai “avaliar” os factos relatados e que vai agir “em conformidade”.

Respostas Rápidas: O que precisa saber sobre o caso Raríssimas

Uma reportagem da TVI sobre a gestão da associação Raríssimas está a provocar polémica e já levou à abertura de inquéritos pela Polícia Judiciária e pela Segurança Social. Conheça os factos por detrás da polémica.
Recomendadas

José Maria Monteiro de Azevedo Rodrigues é o novo presidente da Comissão de Normalização Contabilística

A decisão foi tomada em Conselho de ministros e publicada hoje, sexta-feira, no Diário da República, informou o Ministério das Finanças em comunicado.

PremiumSão poucos os contribuintes que pagam metade dos rendimentos em IRS

Dados do Ministério das Finanças mostram que menos de 0,01% dos contribuintes pagam IRS acima de 45%. Fiscalistas alertam, ainda assim, que taxas são “confiscatórias”, desincentivam o trabalho e podem promover emigração.

OE2023. Comissão Europeia pede orçamento português “coerente” com prudência orçamental

A Comissão Europeia instou hoje o Governo português a “tomar as medidas necessárias” para que o Orçamento do Estado para 2023 (OE2023) seja “coerente” com prudência orçamental, alertando para “riscos” no défice e dívida por apoios às famílias.
Comentários