Estado já deve 1.100 milhões às farmacêuticas

Dívidas dos hospitais públicos às empresas farmacêuticas e de dispositivos médicos aumentam ao ritmo de 18 milhões por mês.

As dívidas dos hospitais públicos à indústria farmacêutica e às empresas de dispositivos médicos são já superiores a 1.100 milhões de euros. Há empresas a ameaçar abandonar o País e o setor tem pela frente milhares de despedimentos e a retração no lançamento de produtos inovadores, face aos atrasos nos pagamentos do Estado.

O montante em dívida, em setembro deste ano, representa um agravamento de 18 milhões de euros por mês desde o início do ano. Só o valor referente à dívida global dos hospitais públicos às empresas farmacêuticas, de medicamentos e diagnósticos in vitro, em setembro de 2016, era de 792 milhões de euros. Um montante que inclui as regiões autónomas e hospitais que não fazem parte do acordo entre a indústria farmacêutica e o Estado para a sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde (SNS), tendo por base uma amostragem de 52 empresas associadas da Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica (Apifarma)
Apesar de representar uma diminuição de 3,5% face a agosto, não deixa de revelar um aumento da dívida de 95 milhões desde janeiro deste ano, mês em que as farmacêuticas tinham por cobrar do Estado um total de 697 milhões de euros, segundo dados oficiais da Apifarma.

Leia a notícia na íntegra na edição impressa, já nas bancas.

Recomendadas

JE Bom Dia: ‘Money Supply’ na Europa é conhecida num contexto de subida de taxas de juro

Por cá, o Banco de Portugal divulga os dados de crédito ao sector privado em outubro, e será um dia parado no Parlamento depois da aprovação do Orçamento do Estado na passada sexta-feira.

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta semana

Uma semana rica em dados da inflação na Europa, que os mercados analisarão com atenção na busca de sinais sobre a política monetária de médio-prazo do BCE, que tem vários responsáveis a discursar. Também nos EUA e Inglaterra os responsáveis pelos bancos centrais discursam na antecâmara da última reunião do ano.

PRR, mesmo sem inflação, sofreria dos mesmos problemas

Execução da bazuca enfrentaria dificuldades com burocracia e mudanças na economia global, reforçando papel dos contabilistas.
Comentários