Estado já emitiu 2.600 “cheques-cirurgia” para recurso a outro hospital, revela Centeno

Cheques-cirurgia são vales passados pelos hospitais públicos que permitem aos utentes fazerem as suas cirurgias noutro hospital, neste caso que não esteja a ser afetado pela greve dos enfermeiros aos blocos cirúrgicos.

O ministro das Finanças disse hoje que mais de metade das 5.000 cirurgias canceladas devido à greve dos enfermeiros já foi alvo de ‘cheques-cirurgia’, que permite ao utente recorrer a um hospital não afetado pela paralisação.

De acordo com Mário Centeno, que falava hoje na comissão parlamentar de Trabalho e Segurança Social, na “saúde, onde têm havido greve nos enfermeiros foram adiadas perto de 5.000 cirurgias” e “esses mesmos hospitais processaram já 2.600 cheques-cirurgia”.

Os cheques-cirurgia são vales passados pelos hospitais públicos que permitem aos utentes fazerem as suas cirurgias noutro hospital, neste caso que não esteja a ser afetado pela greve dos enfermeiros aos blocos cirúrgicos.

Na semana passada, durante o debate parlamentar quinzenal, o primeiro-ministro António Costa defendeu não ser aceitável que a greve dos enfermeiros já tenha adiado mais de 5.000 cirurgias programadas – 4.176 segundo o balanço que tinha até dia 07 de dezembro considerando que “ninguém pode morrer pelo exercício do direito à greve”.

António Costa disse ainda na ocasião que, se não houver mais cancelamentos, será possível fazer as cirurgias anuladas até final do primeiro trimestre de 2019.

A “greve cirúrgica” dos enfermeiros, que se iniciou a 22 de novembro, está a decorrer nos blocos operatórios do Centro Hospitalar Universitário de S. João (Porto), no Centro Hospitalar Universitário do Porto, no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, no Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte e no Centro Hospitalar de Setúbal.

Os enfermeiros têm apresentado queixas constantes sobre a falta de valorização da sua profissão e sobre as dificuldades das condições de trabalho no Serviço Nacional de Saúde, pretendendo uma carreira, progressões que não têm há 13 anos, bem como a consagração da categoria de enfermeiro especialista.

A paralisação foi convocada pela Associação Sindical Portuguesa de Enfermeiros (ASPE) e pelo Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (Sindepor).

Relacionadas

Enfermeiros: greves de 26, 27 e 28 de dezembro canceladas

Anúncio da FENSE, que agrega o Sindicato dos Enfermeiros e o Sindicato Independente dos Profissionais de Enfermagem, surge após uma reunião com a Comissão Negociadora do Ministério da Saúde e das Finanças, que decorreu na Administração Central do Sistema de Saúde, em Lisboa.

Marques Mendes: “O Governo está cercado de greves por todo o lado”

O comentador explicou que o eclodir da greves se deve à ausência de oposição política: “quando não há oposição política, o vazio é preenchido na rua”.

Adesão à greve no Centro Hospitalar Lisboa Ocidental chegou aos 100% nalguns serviços

A adesão à greve de hoje dos enfermeiros do Centro Hospitalar Lisboa Ocidental chegou aos 100% na urgência pediátrica do Hospital São Francisco Xavier e no bloco de oftalmologia do Egas Moniz, segundo o sindicato.
Recomendadas

Número de pessoas com diabetes tipo 1 pode duplicar até 2040

Perante a falta de conhecimento sobre as causas da doença, os especialistas pedem um diagnóstico atempado e um maior acesso a bombas que automatizam a administração de insulina.

“Há um défice de anestesiologistas, as necessidades são cada vez maiores”

Em entrevista, a presidente da Sociedade Portuguesa de Anestesiologia, eleita há poucos meses, alerta para o défice de especialistas no SNS, agravado pela multiplicação de áreas onde estes profissionais atuam e pela saída de anestesiologistas para o setor privado.

Violência contra profissionais de saúde aumenta e pode regressar aos níveis pré-pandemia

Só no primeiro semestre, foram reportados mais de 700 casos em Portugal. A grande maioria dos agredidos são enfermeiros e assistentes técnicos.
Comentários