Estado obriga comprador do banco da Caixa no Brasil a prestar garantia, além de caução de dois milhões

Exigência de garantia ao comprador do banco da CGD no Brasil junta-se a pedido de “caução” de dois milhões de euros. Banco Luso-Brasileiro, Banco ABC e Artesia estão na corrida.

Rafael Marchante/Reuters

A entidade escolhida para comprar o Banco Caixa Geral – Brasil terá de apresentar uma garantia bancária além der uma “prestação pecuniária inicial”, no valor de pouco mais de dois milhões de euros. Governo já tem selecionados três investidores para a compra do Banco Caixa Geral – Brasil, que deverão apresentar as propostas vinculativas até 25 de novembro.

As Finanças determinam que “o proponente [comprador] selecionado para a aquisição das ações representativas de até 100% do capital social do Banco Caixa Geral – Brasil, S. A., preste uma garantia bancária à primeira solicitação”, de acordo com o despacho publicado esta sexta-feira, 25 de outubro, em Diário da República.

Segundo o despacho assinado pelo  Secretário de Estado Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, no âmbito do processo de alienação do capital social do Banco Caixa Geral – Brasil, S. A., e, indiretamente, da totalidade ou parte do capital social das sociedades que este detenha, direta ou indiretamente, bem como a totalidade ou parte dos respetivos ativos, deve prestar uma garantia bancária autónoma e à primeira solicitação.

O valor da garantia, de acordo com o diploma, deve corresponder à diferença entre o montante global do preço oferecido para a compra das referidas ações e o montante da prestação pecuniária inicial. Esta pode ainda “ser substituída por outro instrumento considerado adequado a servir a mesma finalidade”.

O despacho acrescenta que “a referida garantia bancária ou instrumento considerado adequado devem ser prestados de acordo com o modelo e demais termos e condições a definir por despacho do Ministro das Finanças”.

Esta semana foi também revelado que o comprador do banco da CGD no Brasil terá de prestar uma caução da ordem dos dois milhões de euros. “O proponente selecionado para a aquisição das ações representativas de até 100% do capital social do Banco Caixa Geral – Brasil deve efetuar o pagamento de uma prestação pecuniária inicial”, refere a portaria, que fixa esse montante em dez milhões de reais (2,2 milhões de euros).

No início de agosto, foi aprovado o caderno de encargos da venda direta das ações do Banco Caixa Geral – Brasil, detidas direta e indiretamente pela Caixa Geral de Depósitos,.

Depois de terem sido recolhidas as intenções dos potenciais interessados na operação, o Governo aprova e dá a conhecer as condições específicas a que deve obedecer a venda direta. Seguir-se-á a seleção dos interessados que passam à fase subsequente do referido processo de alienação, refere o comunicado do Conselho de Ministros do último governo.

Com a aprovação desta resolução, diz o Executivo, “o Governo conclui mais um importante passo no sentido da execução dos compromissos assumidos no âmbito do plano estratégico da CGD, subjacente ao plano de recapitalização garantido pelo Estado”.

 

Banco Luso-Brasileiro, Banco ABC e Artesia na corrida

Na corrida à compra do banco da CGD no Brasil estão o Banco Luso-Brasileiro, do grupo Amorim, o Banco ABC Brasil e o fundo Artesia. Os interessados em ficar com o Banco Caixa Geral têm até às 17:00 do dia 25 de novembro para entregarem propostas vinculativas.

Já depois desta aprovação, foi publicada em Diário da República,  a 4 de setembro, a lista de potenciais investidores que serão convidados a apresentar uma proposta vinculativa pela instituição brasileira, detida pela Caixa, depois da aprovação em Conselho de Ministros, no final de agosto.

Assim, estão selecionados e admitidos a participar na fase subsequente do processo de alienação das ações objeto da operação de venda direta da sociedade Banco Caixa Geral – Brasil, o fundo Artesia Gestão de Recursos; o Banco ABC Brasil; e o Banco Luso-Brasileiro, no qual o Grupo Amorim detém uma participação de 43%.

A Resolução de Conselho de Ministros publicada em Diário da República, vem autorizar a CGD a dirigir convites a cada um dos potenciais investidores identificados para procederem à apresentação de propostas vinculativas de aquisição das ações objeto da operação de venda direta da sociedade Banco Caixa Geral – Brasil, em conformidade com o caderno de encargos do processo de alienação do capital, e, em especial, as condições aplicáveis à realização da venda direta.

Estes três escolhidos para apresentarem propostas vinculativas destacaram-se de um conjunto de 132 potenciais investidores que o Estado, através da CGD, convidou para procederem à apresentação de intenções de aquisição indicativas.

Paulo Macedo disse, na altura, que “houve vários interessados”, e que o banco recebeu “propostas non-binding”.

Sobre a venda das operações na África do Sul e em Espanha, Paulo Macedo, disse que a CGD está a aguardar autorizações, ainda assim, o CEO do banco público esclareceu que “se as operações forem concretizadas até ao fim do próximo trimestre, o impacto da venda será expresso nas contas de forma positiva”.

Relacionadas

Caixa Brasil tem empresas ligadas à Lava Jato na carteira de clientes

O banco brasileiro está na lista de ativos da CGD para venda, mas o banco público português ainda não deu indicações dos possíveis impactos que esta exposição poderá ter sobre as ofertas que vier a receber pelo BCG.
Recomendadas

BPI financia tecnologia que promove autonomia de pessoas com paralisia cerebral

App, acessível por smartphone, tablet ou computador, permite aos residentes emitir um pedido de assistência que assume a forma de alerta enviado aos colaboradores da instituição. Em 2022 foram lançados 4.590 pedidos de assistência.

Premium“Crédito Agrícola tem de saber manter a sua identidade”

Papel da banca cooperativa é analisado em livro dos professores universitários Luís Reto, Paulo Bento e Nuno Crespo, a pedido do Crédito Agrícola.

CGD aumenta proposta salarial para 3,5%, mas sindicatos querem mais

O banco estatal também aceitou aumentar o valor das propostas referentes a alguns subsídios, como o de natalidade e o de trabalhador-estudante, e o plafond do crédito à habitação, dizem MAIS, SBC e SBN. Mas sindicatos pedem mais.
Comentários