Estado paga quase um milhão de euros para vítimas de crimes violentos

É através da CPVC que o Estado compensa as vitimas de crimes violentos quando se comprovar que o autor do crime não tem meios para pagar e só quando o processo transitar em julgado.

Estado português tem um orçamento de quase um milhão de euros por crimes violentos para este ano, informa o Diário de Notícias, na edição desta terça-feira. Desde 2012, a verba atribuída à Comissão de Proteção às Vitimas de Crimes (CPVC) aumentou 46%.

Os 950 mil euros que a CPCV tem, este ano, para pagar indemnizações às vítimas diretas e indiretas de homicídios, violência doméstica, abusos sexuais e outros crimes violentos são o maior orçamento do organismo dos últimos cinco anos.

Segundo o DN, desde janeiro o valor máximo de 34.680 euros de indemnização já foi pago por seis vezes – quatro crianças e dois adultos. Até junho, deste ano, deu entrada na CPVC 135 pedidos de compensações (79 por crimes de violência doméstica, 56 por crime violento).

Até junho deste ano entraram 135 pedidos de apoio à vítima.

Em 2016 foram registados 311 processos na comissão (197 por violência doméstica e 114 por crime violenta).

É através da CPVC que o Estado compensa as vitimas de crimes violentos, até ao valor máximo de 34.680 euros, após se comprovar que o autor do crime não tem meios para pagar uma indemnização e só quando o processo transitar em julgado.

Recomendadas

Governo acompanha caso de portuguesa encontrada morta em França

O Ministério dos Negócios Estrangeiros português anunciou hoje que os consulados gerais de Estrasburgo e do Luxemburgo estão a acompanhar “com especial atenção” o caso de uma portuguesa encontrada morta em França.

Marcelo assume contacto a José Ornelas para lhe dizer que envio de denúncia “não foi pessoal”

O Presidente da República assumiu hoje que teve a iniciativa de contactar o bispo José Ornelas para lhe dizer que “não foi pessoal” a denúncia contra ele que encaminhou para o Ministério Público.

Marcelo “não deveria ter falado” com José Ornelas, considera Ventura

O presidente do Chega, André Ventura, considerou hoje que o Presidente da República “não deveria ter falado” com o bispo José Ornelas sobre questões relacionadas com a denúncia de alegado encobrimento de abusos sexuais.
Comentários