Estado português fez nono aumento de capital da EDIA desde início de 2016

Empresa que gere projeto de regadio do Alqueva já beneficiou de aumento de capital superiores a 94 milhões de euros em menos de dois anos.

O Estado português está a reforçar a sua aposta na empresa que está a desenvolver o projeto do regadio do Alqueva.

No passado dia 24 de agosto de 2017, segundo comunicado enviado, no final da semana passada, à CMVM – Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, “foi aprovado por deliberação social unânime por escrito aumentar o capital social da EDIA – Empresa de Desenvolvimento e Infra-Estruturas do Alqueva, S.A., em 8.677.530 euros, através da emissão de 1.735.506 de ações nominativas, no valor de cinco euros cada, a subscrever e realizar pelo acionista Estado Português, em numerário”.

Com este último aumento de capital, desde o início de 2016, a empresa que gere o projeto de regadio do Alqueva, no Alentejo, já beneficiou de nove aumentos de capital, assumidos a 100% pelo Estado português.

Desta forma, as injeções de capital na EDIA desde o início de 2016 perfazem já mais de 94 milhões de euros.

O alargamento da área de intervenção do projeto de regadio do Alqueva, que está em curso, deverá ser uma das razões para este reforço de capitais da EDIA.

Recomendadas

João Partidário é o novo responsável da Nestlé Purina em Portugal

Especialista na área de Vendas e em estratégia de Categoria, João Partidário dedicou parte relevante do seu percurso na Nestlé à Categoria de Petcare.

Startup de biotecnologia alemã angaria 8,5 milhões e vai recrutar em Portugal (com áudio)

“Os produtos da MicroHarvest vão ter várias aplicações, entre as quais, por exemplo, como um ingrediente para as rações de aquacultura”, garante o investidor Carlos Esteban, da sociedade portuguesa Faber.

Estes são os finalistas do Prémio Empreendedorismo e Inovação do Crédito Agrícola

Vegan Bio Foods, Portugal Bugs e Ethical Meat destacaram-se na categoria de Alimentação. Saiba quais são os restantes candidatos a vencedores dos prémios anuais do banco.
Comentários