Estados Unidos ajuda Arménia a estabilizar economia e democracia com subvenção de 120 milhões

A Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID) vai atribuir à Arménia uma subvenção de 120 milhões de dólates à Arménia para ajudar o país a promover a democracia e a estabilidade económica.

A Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID) vai atribuir à Arménia uma subvenção de 120 milhões de dólares (114,10 milhões de euros) para ajudar a estabilizar a democracia e a economia daquele país do sul do Cáucaso.

Segundo a “Interfax”, o governo arménio já aprovou a assinatura do acordo de cooperação com os EUA.

“À luz dos choques causados pela pandemia de Covid-19 e da guerra desencadeada contra Nagorno-Karabakh, e dadas as eleições parlamentares justas e transparentes realizadas [na Arménia] em 2021, os EUA comprometem-se neste acordo a ajudar a Arménia a estabelecer um sistema de governação eficiente e responsável, a salvaguardar as suas conquistas democráticas e a superar os desafios económicos”, justifica Yerevan numa nota publicada no site oficial após uma reunião do governo.

Nos mês passado, os líderes da Arménia e do Azerbaijão concordaram em “avançar nas discussões” acerca de um acordo de paz sobre a região separatista de Nagorno-Karabakh.

Segundo Charles Michel, o primeiro-ministro da Arménia, Nikol Pashinyan, e o Presidente do Azerbaijão, Ilham Aliyev, realizaram uma discussão “franca e produtiva”, numa reunião em Bruxelas, mediada pela UE.

Os dois líderes “concordaram em avançar nas discussões sobre o futuro tratado de paz sobre as relações entre a Arménia e o Azerbaijão”, disse o presidente do Conselho Europeu, em comunicado.

As conversações vão começar nas “próximas semanas”, disse Michel, acrescentando ter sublinhado durante a reunião a importância de levar em conta “os direitos e a segurança da população arménia de Nagorno-Karabakh”.

Haverá ainda uma “reunião de comissões de fronteira” nos próximos dias, que irá abordar as questões da demarcação de fronteiras e “a melhor forma de garantir uma situação estável”, referiu.

Um outro encontro entre Aliyev e Pashinyan, organizado pela UE, está previsto para julho ou agosto, anunciou Michel.

Desde 17 de abril que manifestações têm decorrido regularmente na capital da Arménia, Erevan, para exigir a demissão de Pashinian, depois do primeiro-ministro ter comentado no parlamento sobre a necessidade de assinar um acordo de paz com o Azerbaijão.

As antigas repúblicas soviéticas estão em conflito há várias décadas por Nagorno-Karabakh, território de maioria arménia, que declarou a secessão do Azerbaijão, na sequência do fim da União Soviética.

O conflito, no início dos anos de 1990, provocou a morte de 30 mil pessoas e milhares de refugiados, sendo que a região está desde então sob controlo arménio.

Durante uma guerra de seis semanas em 2020, o Azerbaijão recuperou o controlo sobre parte da região antes de assinar um cessar-fogo com a Arménia, mediado pela Rússia, que enviou “forças de manutenção de paz” para a região.

Os combates, que fizeram mais de 6.500 mortos, ficaram marcados pela derrota da Arménia, obrigada a ceder território.

Recomendadas

Líder checheno prepara envio de quatro batalhões para a Ucrânia

Aliado checheno de Putin vai enviar soldados para a Ucrânia.

Credor estrangeiro avança em Hong Kong com petição de liquidação contra Evergrande

Num comunicado enviado à Bolsa de Hong Kong, onde está cotada, a Evergrande indicou que o autor é a Top Shine Global Limited, uma empresa registada em Samoa e propriedade do investidor local Lin Ho Man.

Revista de imprensa internacional: as notícias que estão a marcar a atualidade global

46 corpos de migrantes encontrados dentro de camião no Texas; Líderes mundiais condenam “abominável” ataque russo a centro comercial ucraniano; Número de mortos após ataque a centro comercial em Kremenchuk sobe para 18.
Comentários