Estados Unidos: decisão final sobre o Senado está para breve

Democratas e republicanos tentam a todo o transe vencer as eleições na Geórgia. Se os democratas vencerem, como referem as sondagens, Biden pode contar com o Senado para combater a perda da Câmara dos Representantes.

Esta terça-feira, o eleitorado da Geórgia, Estado dos Estados Unidos, decidirá se enviará o atual democrata Raphael Warnock ou o seu oponente republicano Herschel Walker para o Senado de Washington. Nenhum dos candidatos conseguiu obter a maioria dos votos nas eleições de 8 de novembro passado.

A corrida para um dos dois lugares da Geórgia no Senado tem implicações significativas: para os analistas, e face a um mandato de seis anos, a vaga na Geórgia pode ajudar qualquer um dos partidos muito para além do próximo Congresso, que mudará em 2025.

Se os democratas ganharem, podem aumentar o controlo no Senado – o que será importante face à perda da maioria na Câmara dos Representantes. Para os republicanos, é uma hipótese de recuperar de um desempenho eleitoral abaixo do esperado.

Uma vitória de Walker, um aliado de Trump , também significará um impulso muito necessário para o ex-presidente, que anunciou a sua campanha presidencial para 2024 no mês passado, após os resultados vacilantes do meio de mandato e num quadro em que estava à espera de uma ‘onda vermelha’ que não deixasse dúvidas quanto à adesão do país à sua agenda política. Essas dúvidas não só continuam a existir, como se adensaram.

Segundo os jornais norte-americanos, a organização sem fins lucrativos OpenSecrets, que rastreia os gastos nas campanhas eleitorais, estima que terão sido gastos mais de 400 milhões de dólares na corrida ao Senado na Geórgia, só até ao final de novembro – transformando-a nas eleições locais mais caras do país.

Entretanto, já é público que um número recorde de eleitores votaram antecipadamente: mais de 1,86 milhão de pessoas fizeram-no antes do dia das (re)eleição, representando 26,7% dos eleitores registados no Estado.

Warnock, um padre, derrotou Walker, uma lenda do futebol norte-americano, no mês passado por menos de 1% dos votos, mas um candidato de um terceiro partido obteve 2,1%, garantindo que nenhum candidato ultrapassasse a marca de 50% necessária para uma vitória na primeira volta.

A corrida na Geórgia, onde o presidente Joe Biden venceu Donald Trump por uma margem escassa em 2020, foi uma das disputas mais observadas nesta temporada eleitoral. Uma sondagem da CNN afirma que Warnock tem uma vantagem de quatro pontos percentuais sobre Walker.

A vitória de Warnock deixaria os democratas com 51 lugares (em 100) no Senado , o que tornaria um pouco mais fácil avançar com as decisões de Joe Biden para cargos judiciais e administrativos. Se os republicanos vencerem ficarão com 50 lugares, mas em caso de desempate vale o voto do presidente – que por inerência é o vice-presidente do país, no caso a democratas Kamala Harris.

Recomendadas

EUA: Powell reconhece primeiros sinais de alívio na inflação, mas é “prematuro declarar vitória”

O presidente da Fed afastou cortes de juros este ano, embora admita que a inflação começa a dar sinais de abrandamento. O caminho ainda é longo e a ‘aterragem suave’ continua em cima da mesa, tal como uma taxa terminal abaixo de 5%.

Papa critica “forças internas e externas” que causam violência na RDCongo

O Papa Francisco pediu para os habitantes “não se deixarem seduzir por pessoas ou grupos que incitem à violência”, criticando as forças “externas e internas” que causam violência no país.

EUA: Reserva Federal abranda ritmo de subida dos juros com mais 25 pontos base

O mercado já antecipava esta decisão, dado o abrandamento da inflação nos últimos meses, mas a mensagem da Fed tem sido agressiva, sinalizando que o processo está ainda longe de concluído.
Comentários