Estados Unidos lançam foguetão lunar 50 anos depois do programa Apollo

Se a missão de três semanas for bem sucedida, o foguetão vai lançar uma cápsula para uma órbita alargada ao redor da Lua.

Os Estados Unidos lançaram hoje um foguetão lunar, num voo de ensaio, que poderá levar o país à Lua pela primeira vez desde o fim do programa Apollo, há 50 anos.

Se a missão de três semanas for bem sucedida, o foguetão vai lançar uma cápsula para uma órbita alargada ao redor da Lua.

Em dezembro, a cápsula, com três manequins de teste a bordo, vai regressar à Terra, mergulhando no oceano Pacífico.

Depois de anos de atrasos e derrapagens orçamentais, o foguetão SLS (Space Launch System) partiu do Centro Espacial Kennedy, na Flórida (sudeste), alcançando 160 quilómetros por hora em poucos segundos.

O foguetão, com 98 metros, é o mais poderoso alguma vez construído pela agência espacial norte-americana NASA.

A NASA quer testar todos os sistemas antes de colocar astronautas a bordo, em 2024, para uma viagem à volta da Lua.

Duas tentativas anteriores de lançamento, no final do verão, foram frustradas por fugas de combustível. O furacão Ian também forçou um regresso ao hangar, no final de setembro.

A NASA esperava milhares de espectadores no local de lançamento e nas praias e estradas fora dos portões da base para testemunhar o momento.

“Para a geração Ártemis, isto é para vocês”, disse o diretor de lançamento Charlie Blackwell-Thompson, referindo-se à geração mais jovem que não testemunhou o programa Apollo, um conjunto de missões espaciais coordenadas pela agência espacial entre 1961 e 1972.

Este programa foi batizado com o nome da irmã gémea mitológica de Apollo, Ártemis.

O voo de ensaio de 4,1 mil milhões de dólares (3,9 mil milhões de euros) está programado para durar 25 dias, aproximadamente o mesmo que as futuras tripulações estarão a bordo.

Recomendadas

Desflorestação na Amazónia cai pela primeira vez no Governo de Bolsonaro

A Amazónia brasileira perdeu 11.568 km2 de cobertura vegetal entre agosto de 2021 e julho de 2022, menos 11,3% que a devastada no ano anterior. É a primeira redução do desmatamento desde que Jair Bolsonaro chegou ao poder.

Israel: Netanyahu garante que vai manter a controlo sobre a extrema-direita

Primeiro-ministro designado insiste que os radicais com que formará governo não vão tomar o poder nas suas mãos. “Israel não será governado pelo Talmud”. A incógnita é o que acontecerá com o seu julgamento por corrupção.

Parlamento alemão define como genocídio a “grande fome” na Ucrânia

O parlamento alemão aprovou uma resolução que define de genocídio o ‘Holodomor´’, a “grande fome” que atingiu a Ucrânia em 1932-1933 e que terá vitimado mais de três milhões de ucranianos.
Comentários