Estados Unidos vai encomendar mais 500 mil doses do medicamento contra a Covid-19 produzido pela AstraZeneca

Apesar do medicamento,ter sido considerado altamente eficaz na prevenção da Covid-19 sintomática em pessoas de risco, os resultados do primeiro estudo da AstraZeneca descobriram que a combinação de anticorpos era apenas 33% eficaz na prevenção da Covid-19 sintomática em pessoas que foram expostas ao vírus, colocando o acordo em questão.

Reuters/DADO RUVIC

O governo dos EUA está em negociações com a Astrazeneca para encomendar mais 500 mil doses do seu medicamento contra a Covid-19, utilizado por pessoas vulneráveis ​​antes da exposição ao vírus para prevenir doenças graves, avança a “Bloomberg”.

Jeff Zients, coordenador de resposta à Covid-19 de Joe Biden, presidente dos EUA, disse esta quarta-feira que a administração e a Astraceneca estão “no processo de encomendar” as doses, destinadas a pessoas imunocomprometidas. O novo pedido elevará a compra total dos EUA para mais de um milhão de doses, todas com validade até ao final de março, disse Zients.

“O governo federal foi fundamental na investigação e desenvolvimento deste produto”, disse Zients. “Resumindo, agimos de forma agressiva para apoiar e garantir um portefólio diversificado de tratamentos contra a Covid-19.”

Apesar do medicamento, autorizado no mês passado nos EUA, ter sido considerado altamente eficaz na prevenção da Covid-19 sintomática em pessoas de risco, os resultados do primeiro estudo da AstraZeneca, conduzido em junho, descobriram que a combinação de anticorpos era apenas 33% eficaz na prevenção da Covid-19 sintomática em pessoas que foram expostas ao vírus, colocando o acordo em questão.

Os resultados de dois ensaios revelaram que o medicamento foi altamente eficaz na prevenção da Covid-19 sintomática em pessoas em risco e também reduziu para metade o risco de desenvolver doenças graves ou morte por Covid-19 leve ou moderado.

Medicamentos de anticorpos podem ser utilizados para complementar vacinas para pessoas que não obtiveram uma resposta forte às injeções ou para proteger aqueles que não puderam ser inoculados. Os principais grupos de pacientes que podem ser elegíveis para esses medicamentos incluem pacientes com cancro ou aqueles com um sistema imunológico enfraquecido.

Recomendadas

Exclusivo: Bónus milionário da CEO da TAP não é válido

O contrato assinado entre a TAP e a gestora francesa Christine Ourmières-Widener prevê um bónus que pode chegar a três milhões de euros no prazo de cinco anos, revela o documento, a que o Jornal Económico teve acesso. No entanto, o contrato não será válido, uma vez que uma das suas cláusulas prevêem que teria de ser aprovado pela Assembleia Geral da TAP SGPS, algo que nunca chegou a acontecer.

Pampilhosa da Serra assina novo contrato para assegurar transporte de passageiros

O município da Pampilhosa da Serra, no interior do distrito de Coimbra, vai pagar mensalmente mais de 15 mil euros a uma empresa para assegurar o serviço de transporte público de passageiros nas linhas que funcionam atualmente.

Martifer com contrato de 68 milhões para fazer viadutos ferroviários em Birmingham

“O fabrico da estrutura metálica será realizado maioritariamente no pólo industrial do grupo Martifer, em Oliveira de Frades, permitindo reforçar a vertente exportadora do grupo Martifer, que atualmente representa mais de 85 % do volume de negócios do segmento de estrutura metálica em Portugal”, refere a empresa.
Comentários