“Estamos a crescer demasiado”. ‘Febre’ do lítio vai continuar em 2018

Ativos da Structured Solutions Next Generation Resources Fund, com sede no Luxemburgo, subiram quase 400% este ano em dólares, alcançando máximos históricos esta semana

Extração de Lítio

A procura dos investidores por todo o que está relacionado com o lítio é tão forte que um gestor de fundos está a avaliar a recusa à entrada de novos clientes para o seu fundo de materiais para baterias, noticia hoje o espanhol El Economista.

Os ativos da Structured Solutions Next Generation Resources Fund, com sede no Luxemburgo, subiram quase 400% este ano em dólares, alcançando máximos históricos esta semana, segundo dados compilados pela Bloomberg.

O fundo, que investe principalmente em ativos relacionados com o lítio, obteve um rendimento superior a 99% dos seus pares em 2017. Neste contexto, encaminha-se para o terceiro ano consecutivo de subidas de preços depois de ter registado perdas entre 2011 e 2014.

Demasiado crescimento

A Structured Solutions Next Generation Resources “está a crescer demasiado”, assegura Tobias Tretter, gerente do fundo numa entrevista ao El Economista. O setor é “bastante pequeno” e o ritmo de crescimento do fundo eclipsa a quantidade de investimentos atrativos disponíveis no mercado, assegura o gerente. “O setor dos metais continuará muito ativo nos próximos anos”.

O lítio, utilizado para alimentar as baterias destinadas a veículos elétricos, computadores e telemóveis, é um imane para os investidores que levaram os preços até recorde máximo em outubro.

Recomendadas

Moldova mantém neutralidade mas irá fortalecer a cooperação com a NATO

A Moldova manterá a neutralidade, mas aprofundará a sua cooperação com a NATO para garantir a sua capacidade defensiva, declarou hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros da Moldova, Nicu Popescu.

Espanha e Alemanha reúnem-se em cimeira pela primeira vez desde 2013

Espanha e Alemanha celebram na quarta-feira a primeira cimeira bilateral em nove anos, que coincide com um momento de sintonia entre os dois executivos em projetos como o do gasoduto para ligar a Península Ibérica à Europa central.

CMVM: “É notório o crescimento da divergência dos padrões de poupança das famílias portuguesas”

“A poupança de longo prazo exige disciplina e empenho além de, naturalmente, um nível de rendimento que permita poupar. Esta combinação de condições ajuda a explicar o baixo nível de poupança em Portugal e em outros países que nos são próximos”, reconhece Rui Pinto.
Comentários