Estátua de antiga primeira-ministra britânica foi vandalizada antes mesmo de ser inaugurada

A escultura, que representa Margaret Thatcher, estava a escassas horas de ser inaugurada na sua cidade natal quando foi vandalizada com o lançamento de ovos.

Foto: Joe Giddens/PA

Foi vandalizada uma escultura da antiga primeira-ministra britânica Margaret Thatcher na sua cidade natal de Grantham. Era sabida a ameaça do lançamento de ovos na direção da estátua e assim foi, com um grupo de protestantes a manifestar-se atrás de uma vedação temporária, horas antes do momento programado para a sua inauguração, de acordo com “The Guardian“.

Apesar de estar elevada a três metros do chão, a estátua foi atingida e, na sequência, ouviram-se ruidosos sons do grupo de pessoas, em forma de celebração. Uma manifestação que não surpreendeu os habitantes daquela localidade, dado que Thatcher é vista até hoje como uma figura que acima de tudo foi divisiva do povo do Reino Unido.

A estátua acabaria depois por ser inaugurada e foram várias as pessoas que pararam para tirar selfies junto da mesma, levantando os protestos dos automobilistas que por ali passavam e buzinavam.

A estátua é da autoria do escultor Douglas Jennings e a ideia inicial era que fosse exposta perto do parlamento britânico, mas foi rejeitada por Westminster em 2018.

Outra estátua de Margaret Thatcher foi vandalizada em 2002, numa Galeria de Arte situada em Londres. Foi alvo de um ataque com um bastão de críquete e decapitada com uma barra de metal.

Recomendadas

Scooters elétricas. Roma vai impor novas regras para evitar incidentes

Dezessete pessoas morreram no país nos últimos dois anos após incidentes que envolveram e-scooters, para além de estarem envolvidas em atos de vandalismo a património da cidade.

Severodonetsk “totalmente ocupada” pela Rússia, segundo autarca

A cidade de Severodonetsk, no leste da Ucrânia, está “totalmente ocupada” pelas forças russas após semanas de combates intensos, segundo informações do presidente da câmara, Oleksandr Stryuk.

Rússia não vai aderir ao Tratado sobre Proibição de Armas Nucleares, diz Kremlin

Moscovo continua a defender que o desenvolvimento do TPNW foi prematuro, erróneo e contraproducente. Em relação ao tratado, acusa-o de não ter em conta o cenário geopolítico e militar, e de não aproximar a humanidade da meta nele declarada.
Comentários