Estatuto dos Profissionais da Cultura entra em consulta pública na quarta-feira

Falando numa audição parlamentar, Graça Fonseca explicou que o decreto-lei sobre o estatuto, aprovado a 22 de abril em Conselho de Ministros, entrará em consulta pública por 30 dias úteis e manifestou “disponibilidade para acolher as alterações”.

Cristina Bernardo

O decreto-lei que cria o Estatuto dos Profissionais da Cultura entrará em consulta pública na quarta-feira e deverá ficar concluído até dezembro deste ano, anunciou hoje, terça-feira, a ministra da Cultura, Graça Fonseca.

Falando numa audição parlamentar, Graça Fonseca explicou que o decreto-lei sobre o estatuto, aprovado a 22 de abril em Conselho de Ministros, entrará em consulta pública por 30 dias úteis e manifestou “disponibilidade para acolher as alterações”.

“Estaremos sempre a falar de ter uma proposta para depois do verão, para voltar novamente a discuti-la com as entidades e levá-la ao Conselho de Ministros para cumprir o prazo de dezembro de 2021”, disse Graça Fonseca, garantindo que o governo está a cumprir “escrupulosamente os prazos” para que o estatuto entre em vigor em 2022.

A 22 de abril, em conferência de imprensa no final no Conselho de Ministros, Graça Fonseca disse que o estatuto dos profissionais da Cultura é “um estatuto completo”, abrangendo as áreas do registo profissional, do regime laboral e do regime contributivo, mas que existia “espaço para melhorias” e que seria criada uma comissão de acompanhamento.

“Sim, temos toda a abertura para alterar. Sim, foi feito um trabalho complexo, difícil, que exige diferentes perspetivas, desejos, vontades, mas é importante que seja feito. Existe interesse, vontade, abertura para mudar e adequar o que foi necessário”, sublinhou esta terça-feira a ministra da Cultura.

O Estatuto dos Profissionais da Cultura está em elaboração desde meados de 2020, quando o Governo anunciou a criação de um grupo de trabalho interministerial, “para análise, atualização e adaptação dos regimes legais dos contratos de trabalho dos profissionais de espetáculos e respetivo regime de segurança social”.

O grupo de trabalho contou também com contributos de diversas associações representativas da Cultura, entre as quais a fundação GDA, a Sociedade Portuguesa de Autores, o Sindicato dos Trabalhadores de Espetáculos, do Audiovisual e dos Músicos, a Plateia, a Performart, a Rede e a Associação Portuguesa de Realizadores.

Graça Fonseca comprometeu-se por diversas vezes em ter a proposta do grupo de trabalho pronta até dezembro de 2020, mas a data foi, entretanto, adiada.

Esta terça-feira, na audição parlamentar, a ministra explicou que “o governo disse que até ao final de 2020 teria uma primeira base para o estatuto”.

Várias associações da Cultura alertaram para o risco de aprovação prematura do estatuto profissional, sem o debate de todas as suas componentes, e para o risco de poder vir a reforçar a precariedade, sobretudo por não atender ao caráter de intermitência do trabalho no setor.

É sobre o regime contributivo e apoios sociais que as entidades representativas da Cultura têm mais dúvidas sobre o que ficará definido.

Numa audição parlamentar em abril, as associações e sindicato alertaram para a desadequação à realidade de algumas das medidas, como o subsídio de suspensão de atividade.

Levantaram ainda dúvidas sobre a proposta de conversão de cachês em dias de trabalho, para acesso aos subsídios, que colocaria a estimativa de rendimento mensal líquido nos 1.097 euros, quando o Inquérito aos Profissionais Independentes das Artes e Cultura, encomendado pelo próprio Governo, revelou que cerca de metade dos trabalhadores do setor tem um rendimento mensal líquido abaixo dos 600 euros.

Recomendadas

PremiumFim do protocolo com a Coleção Berardo não é prejudicial à banca

A denúncia do contrato, anunciada pelo Ministério da Cultura, vai entrar em vigor em janeiro de 2023. Mas, segundo apurou o JE, a banca considera que esta decisão do Governo não lhe é prejudicial.

Livro: “O Odor da Índia”

Em 1961, Pier Paolo Pasolini visita a Índia. Não está só. Acompanha Alberto Moravia e a sua mulher, a também escritora Elsa Morante. Deixou-se arrebatar pelas emoções intensas que viveu neste país marcadamente sensorial e plasmou tudo neste diário de viagem.

Deixe-se encantar pela Terceira, a ilha lilás

O que torna a Terceira tão especial é o magnífico contraste entre a beleza natural desta ilha vulcânica e a arquitetura do centro histórico de Angra do Heroísmo. Se está a pensar visitá-la, saiba que o Terceira Mar Hotel tem, no dia 29, uma campanha promocional, por ocasião do seu 19º aniversário.
Comentários