Estivadores. Sindicato faz balanço da primeira semana de greve

Atividade portuária em Lisboa descambou para um autêntico e generalizado caos, acusa Sindicato


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O Sindicato dos Estivadores veio hoje fazer o balanço da primeira semana de greve que terminou no final da semana passada, realçando que a “atividade portuária em Lisboa descambou para um autêntico e generalizado caos (…) consequência da unilateral declaração patronal da caducidade do contrato coletivo em vigor”.

O Sindicato comunicou que “ainda se verificou qualquer das condições anunciadas no pré-aviso de greve que determinarão a paragem total das operações nomeadamente a tentativa de substituir os estivadores profissionais”.

“Como podem as empresas portuárias de Lisboa explicar que, neste contexto, a maior parte das operações portuárias estejam a sofrer quedas brutais de produtividade, equipas de trabalho sejam anuladas, navios estejam a aguardar durante várias dias a possibilidade de operarem, e outros navios estejam a ser desviados para outros portos?”, questionou o Sindicato.

OJE

Recomendadas

PremiumEUA e zona euro vão ter uma “aterragem dura” na pista da recessão no próximo ano

A subida das taxas de juro para controlar a inflação vai ter forte impacto na economia em 2023. Alemanha afunda acima da média, com China a crescer acima do previsto.

PremiumJoão Caiado Guerreiro: “Os vistos gold têm sido extremamente positivos para o país”

Área de Imigração deverá continuar a ser das mais dinâmicas da Caiado Guerreiro, apesar do anunciado fim dos vistos ‘gold’. Processo para cobrar cinco milhões de euros em honorários à Pharol vai a julgamento em fevereiro.

Custo de cabaz alimentar de bens básicos aumentou 21% para adultos num ano, diz BdP

O banco central revela que entre outubro de 2021 e outubro de 2022, o custo mensal médio e mediano de um cabaz básico de consumo alimentar para um adulto com cerca de 40 anos aumentou 21% e 24%, respetivamente.