Estónia alvo de ciberataques russos

O grupo hacker russo Killnet já reivindicou a responsabilidade pelo ataque, segundo o “The Guardian”.

Tallinn, Estónia

A Estónia foi alvo de uma onda de ciberataques após ter removido um monumento de um tanque da era soviética de uma região cuja população é predominantemente russófona, revelou hoje o governo estoniano.

O grupo hacker russo Killnet já reivindicou a responsabilidade pelo ataque, segundo o “The Guardian”.

O ataque bloqueou o acesso a mais de 200 instituições estatais e privadas estonianas.

De acordo com o governo de Tallin, o impacto do ataque foi limitado e passou “largamente despercebido”.

“Ontem, a Estónia foi sujeita aos ciberataques mais extensos que enfrentou desde 2007”, disse o seu subsecretário para a transformação digital.

“Com algumas breves e menores exceções, as páginas web permaneceram totalmente disponíveis ao longo do dia. O ataque passou em grande parte despercebido na Estónia”, esclareceu o mesmo responsável.

Recomendadas

Josep Borrell pressiona Israel sobre os palestinianos

O primeiro-ministro israelita Yair Lapid e o chefe de política externa da União desentenderam da reunião do Conselho da União Europeia-Israel, em Bruxelas. Pontos de vista diferentes sobre a Palestina e sobre o Irão ficaram bem evidentes.

Bulgária: eleições longe de resolverem crise política

Acusado de corrupção, o GERB voltou a ganhar as eleições e arrisca manter o país ingovernável. A única forma de ultrapassar o impasse seria um governo de coligação entre os dois maiores partidos, mas isso não parece estar no horizonte.

Indonésia. Polícia sob pressão pelo uso indiscriminado de gás lacrimogéneo

Os desacatos num estádio de futebol resultaram em 125 mortos, 17 dos quais crianças, de acordo com as autoridades. A atuação da polícia gerou o caos e vai contra as indicações da FIFA.
Comentários