Estudantes fecham a cadeado Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa

Os alunos querem continuar o protesto durante 24 horas, que se deve ao atraso no lançamento das notas em todas as épocas de avaliação, à existência de salas de aula sem capacidade para albergar todos os alunos, à marcação de aulas práticas da mesma disciplina em dias consecutivos, por exemplo.

Os estudantes de Direito da Universidade de Lisboa fecharam esta terça-feira a cadeado a faculdade. Os alunos de Direito reivindicam que, desde a aprovação de um novo regulamento a 28 de junho, houve “poucas ou nenhumas alterações”.

“No passado dia 30 de Novembro de 2017, em sede de Reunião Geral de Alunos, deliberou-se o encerramento da Faculdade tendo em conta a evidente desconsideração, traduzido em inúmeras situações de incumprimento e desrespeito, do Regulamento de Avaliação e dos seus próprios Estudantes pela Direção da Faculdade e pela maioria do seu corpo docente”, explica a Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa (AAFDL), em comunicado.

O protesto deve-se ao atraso no lançamento das notas em todas as épocas de avaliação, à existência de salas de aula sem capacidade para albergar todos os alunos, à marcação de aulas práticas da mesma disciplina em dias consecutivos e aos exames orais que são agendados sem a devida antecedência, entre outros problemas para os quais não houve solução.

Os alunos querem continuar o protesto durante 24 horas. Numa publicação através da rede social Facebook, a associação académica argumentou que “após meses e meses de diálogo, em todos os órgãos e instâncias competentes, incluindo a própria direção da faculdade, os alunos reconheceram que não existia outra possibilidade senão a tomada de uma posição intransigente e irredutível para demonstrar o seu descontentamento”, acrescentando que a missão do estabelecimento é “ensinar e avaliar”. “Nenhuma está a ser plenamente realizada”, defendem os responsáveis da AAFDL.

Recomendadas

Noite Europeia dos Investigadores regressa esta sexta-feira com centenas de atividades em todo o país

A iniciativa, dinamizada pela Comissão Europeia decorre em simultâneo em cidades de 25 países. Pretende aproximar o público das pesquisas científicas, promover projetos de I&D entre os países, aumentar o interesse dos jovens por carreiras científicas e mostrar o impacto do trabalho dos investigadores no nosso quotidiano.

A parceria que privilegia a economia social e as suas organizações ganha mais três anos

Daniel Traça, Dean da Nova SBE, e José Pena do Amaral, Consultor da Comissão Executiva e Membro da Comissão de Responsabilidade Social do BPI, explicam ao JE a originalidade da parceria Iniciativa para a Equidade Social, o que envolve e o que pretende alcançar. A parceria junta a Fundação “la Caixa”, o BPI e a Nova SBE.

Fundação ”la Caixa”, BPI e NOVA SBE renovam parceria de 2,2 milhões

Iniciativa para a Equidade Social vai prolongar-se por mais três anos, até 2024, segundo acordo assinado esta tarde na Nova SBE, em Carcavelos. A parceria tem como objetivo impulsionar o sector da economia social em Portugal, através de projetos de investigação e capacitação desenvolvidos por equipas académicas especializadas.
Comentários