Maioria das empresas cortaram custos para sobreviverem durante a pandemia, aponta estudo

O mesmo estudo revela que “90% dos gestores afirmam que deve ser adotada uma nova abordagem quanto à redução de custos”.

Um estudo da Accenture intitulado Zero-Based Transformation: The Big Reset” concluiu que mais de três quartos das empresas (76%) cortaram custos para sobreviverem durante a pandemia.

Depois da pandemia, o mesmo estudo revela que “90% dos gestores afirmam que deve ser adotada uma nova abordagem quanto à redução de custos que permita responder às contínuas disrupções e, simultaneamente, criar valor para as organizações”.

Segundo a Accenture, “os líderes inquiridos reconhecem que as futuras estratégias de custos devem estar alinhadas com o crescimento, a sustentabilidade, a inovação, e focadas em criar novas capacidades apoiadas pela tecnologia”.

Desta forma, “aproximadamente 70% dos inquiridos afirmam estar a investir na utilização de tecnologias como a inteligência artificial, ferramentas digitais e cibersegurança para otimizar processos”. Dos que participaram no estudo, 80% dos executivos acreditam que sem este investimento vão existir “desafios contínuos para a transformação dos custos”.

Pedro Galhardas, Managing Director e responsável pela área de Strategy e Consulting da Accenture Portugal, aponta que “nas empresas que saíram do modo de sobrevivência e arriscaram numa transformação abrangente, os líderes perceberam rapidamente que não poderiam olhar para os custos como um simples procedimento anual”.

“Começar com uma abordagem zero-based alicerçada em tecnologia permite aos líderes repensar o negócio, redefinir a base de custos e disponibilizar fundos para prioridades estratégicas que potenciam o crescimento, criam resiliência e respondem melhor às necessidades dos stakeholders”, continua o mesmo responsável.

O estudo da Accenture teve por base um questionário global realizado a 2.000 executivos C-level de 15 indústrias diferentes.

Recomendadas

PremiumContrato que prevê bónus milionário da CEO da TAP não é válido

JE revela contrato de Christine Ourmières-Widener: prevê exercício de funções até 2026 e bónus de até três milhões de euros. Mas não chegou a ser ratificado em AG da TAP.

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.

Contrato da CEO da TAP: “Não é só falta de retificação, é falta de aprovação”

O advogado Rogério Alves reagiu à notícia avançada pelo Jornal Económico. O contrato de Christine Ourmières-Widener com a TAP não só não foi retificado em AG como não foi aprovado. “Isto politicamente tem um custo”, diz.
Comentários