Etiópia: Acordo de paz deve “fazer justiça” às vítimas do conflito

O acordo de paz assinado entre o Governo etíope e os representantes da região do Tigray, em guerra há dois anos, deve “fazer justiça às vítimas e sobreviventes do conflito”, defendeu hoje a Amnistia Internacional.

O acordo “é um passo na direção certa, mas devem ser dados mais passos para resolver o défice de responsabilidade que caracterizou o conflito”, defendeu o diretor da organização de defesa dos direitos humanos Amnistia Internacional (AI) para a África Oriental e Austral, Muleya Mwananyanda, citado numa declaração hoje divulgada pela organização.

“Todas as partes em guerra cometeram abusos flagrantes, incluindo execuções extrajudiciais em larga escala e violência sexual contra mulheres e raparigas. Estes crimes hediondos não podem ser simplesmente lavados”, salientou Mwananyanda.

O acordo “não inclui um roteiro claro” sobre como assegurar a responsabilização por crimes de guerra e crimes contra a humanidade e, na opinião da Amnistia, “ignora a impunidade desenfreada no país”.

Para garantir justiça às vítimas e sobreviventes de atrocidades, as autoridades etíopes “devem permitir o acesso, sem restrições, aos investigadores de direitos humanos”, defendeu o diretor da AI.

O Governo etíope e a Frente Popular de Libertação do Tigray (TPLF, na sigla em inglês) assinaram um acordo de paz em Pretória na quarta-feira para pôr fim às hostilidades naquela região no norte da Etiópia, na sequência de negociações iniciadas a 25 de outubro sob os auspícios da União Africana (UA).

A guerra começou em 04 de novembro de 2020, quando o primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed, ordenou uma ofensiva contra a TPLF, no poder no estado do norte do país, em resposta a um alegado ataque a uma base militar federal, e no culminar de uma escalada das tensões políticas, iniciadas desde logo a tomada de posse de Abiy Ahmed, em abril de 2018.

Centenas de milhares de pessoas, de acordo com os Estados Unidos, morreram na guerra, que provocou a deslocação de cerca de dois milhões de pessoas, segundo as Nações Unidas.

Recomendadas

PremiumEUA e zona euro vão ter uma “aterragem dura” na pista da recessão no próximo ano

A subida das taxas de juro para controlar a inflação vai ter forte impacto na economia em 2023. Alemanha afunda acima da média, com China a crescer acima do previsto.

Premium“Para quem não tenha notado, a Rússia vai ficar ali” e a segurança da Europa passa por lá

As palavras do presidente francês cairam mal na invadida Ucrânia e nos longínquos EUA. Entretanto, ninguém sabe quais serão as consequências da decisão sobre petróleo russo.

PremiumPaíses ocidentais com fortes reservas face à coligação em Israel

A colocação de um extremista, racista e adepto da violência na direção do ministério que trata da segurança interna do país é considerado um desastre em potencial. A não ser que Netanyahu queira fazer com Itamar Ben-Gvir o mesmo que fez há uns anos com Ben Gantz.
Comentários