Etiópia: confrontos étnicos resultam em mais de 100 mortos

Na região de Oromia, testemunhas indicam que um ataque do exército regional de libertação, o mais sangrento em muitos anos, resultou em mais de 100 mortos. Para os analistas, a Etiópia está em grave perigo de secessão.

Mais de 100 pessoas, a maioria do grupo étnico Amhara, foram mortas num ataque na região de Oromia, na Etiópia, segundo adiantam testemunhas citadas pela Al Jazeera e outras agências noticiosas – que atribuem responsabilidades ao Exército de Libertação Oromo (OLA). Algumas testemunhas falam mesmo em 200 mortos – no que, de qualquer modo, é o ataque mais mortífero dos últimos anos.

O governo regional de Oromia confirmou o ataque mas não forneceu detalhes sobre o número de vítimas. O governo central em Adis Abeba ainda não reagiu oficialmente e não esteve disponível para comentar o assunto.

“Contei 230 corpos. Receio que este seja o ataque mais mortal contra civis que vimos em nossa vida”, disse Abdul-Seid Tahir, morador do condado de Gimbi, à agência de notícias Associated Press, depois de escapar por pouco do ataque no sábado.

Os testemunhos indicam que unidades do exército federal já chegaram à região, mas que novos ataques podem suceder a qualquer momento, o que levou a comunidade amhara a procurar refúgio noutros locais. A etnia Amhara estabeleceu-se na área há cerca de 30 anos como parte de um programa de relocalização, mas o OLA continua as perseguições.

O primeiro-ministro Abiy Ahmed havia condenado o que descreveu como “atos horríveis” em Oromiya: “Ataques contra civis inocentes e destruição de meios de subsistência por forças ilegais e irregulares são inaceitáveis”, disse no Twitter.

O ataque ocorre num momento em que conflitos étnicos ameaçam dividir o segundo país mais populoso da África. Os combates que eclodiram em 2020 na região norte de Tigray e espalharam-se para as regiões vizinhas de Afar e Amhara no ano passado.

Em comunicado citado pela Al Jazeera, o governo regional disse que os rebeldes atacaram “depois de serem incapazes de resistir às operações lançadas pelas forças de segurança federais”.

O porta-voz do OLA, Odaa Tarbii, negou as acusações, alegando no Twiter que o governo de Abiy está mais uma vez a culpar o OLA por crimes cometidos pelo próprio exército federal – voltando a uma retórica que é comum na região. “O ataque foi cometido por militares do regime e milícias locais quando se retiraram do seu acampamento em Gimbi após uma nossa recente ofensiva”, disse.

“Eles fugiram para uma área chamada Tole, onde atacaram a população local e destruíram as suas propriedades como retaliação pelo seu apoio ao OLA. Os nossos combatentes nem estavam nessa área quando os ataques ocorreram”, acrescentou o porta-voz.

O povo Amhara, o segundo maior grupo étnico entre os mais de 110 milhões de habitantes da Etiópia, tem sido alvo de ataques frequentes. Os ataques contra minorias estão a tornar-se cada vez mais frequentes no país da África Oriental.

No passado domingo, a Comissão de Direitos Humanos da Etiópia, nomeada pelo governo, pediu ao executivo federal que encontre uma “solução duradoura” para o assassinato de civis. Milhares de pessoas foram mortas e milhões foram deslocadas das suas casas como resultado dos combates entre as forças leais a Abiy e a Frente de Libertação Popular Tigray (TPLF) e seus aliados. Desde março, quando o executivo decidiu avançar com um cessar-fogo, que não ocorriam ataques com este grau de violência.

Recomendadas

Conselho da UE anuncia apoio de 40 milhões de euros para o exército da Moldávia

Este apoio complementa a contribuição europeia de sete milhões de euros, feita em dezembro de 2021, destinada na altura a capacitar o Serviço Médico Militar do Batalhão de Engenharia das Forças Armadas moldavas. 

Ucrânia: Diplomacia russa protesta contra afirmações ‘grosseiras’ de Johnson

Em comunicado, o Ministério adiantou que Deborah Bronnert recebeu um protesto “firme” contra “as afirmações abertamente grosseiras a respeito da Federação Russa, do seu dirigente, dos seus responsáveis, bem como do povo russo”.

ONU classifica de “revés” decisão judicial que limita regulação ambiental nos EUA

A ONU considerou que retrocessos em países que produzem grandes quantidades de emissões prejudiciais ao ambiente, como os Estados Unidos, tornam “mais difícil alcançar os objetivos estabelecidos no Acordo de Paris para um planeta mais saudável e em que se possa viver”.
Comentários