EUA. Acordo para pacote de combate à inflação e crise climática é “dádiva de Deus”, diz Biden

O presidente norte-americano, Joe Biden, disse esta quinta-feira que o acordo para um pacote legislativo de combate à inflação e à crise climática é “uma dádiva de Deus” para as famílias, enquanto os democratas reúnem votos para aprovação no Senado.

“Esta proposta seria a legislação mais significativa da História para combater a crise climática”, afirmou o presidente, frisando que o pacote também irá reduzir os custos de saúde para milhões de norte-americanos que compram os seus seguros através do Affordable Care Act, vulgo ‘Obamacare’.

Biden disse que a legislação, intitulada “The Inflation Reduction Act of 2022”, não aumentará os impostos para famílias que ganhem menos de 400 mil dólares por ano e referiu que a fixação de uma imposto mínimo de 15% para as empresas vai financiar as despesas e até permitirá reduzir o défice.

“O meu pedido é: ponham a política de lado. Façam isto. Temos de aprovar isto”, frisou Biden.

Antes das declarações do presidente, o líder da maioria democrata no Senado, Chuck Schumer, já tinha pedido aos senadores democratas apoio para aprovar o pacote legislativo de 739 mil milhões de dólares (728 mil milhões de euros), que será votado na próxima semana depois de o moderado Joe Manchin – que bloqueou o ambicioso projeto legislativo “Build Back Better” em 2021 – ter dado a sua ‘luz verde’.

A legislação pode tornar-se uma vitória histórica para o Congresso controlado pelos democratas, a poucos meses das eleições intercalares, que deverão devolver aos republicanos o controlo da Câmara dos Representantes.

Schumer disse aos senadores democratas que terão agora a oportunidade de alcançar duas prioridades “extremamente importantes” do partido.

A mudança de posição de Manchin surpreendeu Washington, depois de meses de negociações que pareciam destinadas ao insucesso. Em declarações aos jornalistas via vídeo, o senador da Virgínia Ocidental disse que o acordo é uma vitória para todos.

O pacote aumenta os impostos das empresas com lucros superiores a mil milhões de dólares e dos contribuintes que ganham acima dos 400 mil dólares, inclui medidas para combater as emissões de carbono e investir em fontes de energia “limpas”, e requer a negociação de preços de medicamento para baixar a fatura dos consumidores, além de expandir subsídios federais para seguros de saúde.

Para aprovar a legislação, todos os senadores democratas têm de votar a favor porque a maioria democrata no Senado é de apenas um voto, o da vice-presidente Kamala Harris. Os 50 senadores republicanos opõem-se ao pacote.

Isso significa que a senadora Krysten Sinema do Arizona, também uma moderada, terá de ser convencida a votar a favor. A votação vai acontecer na próxima semana.

Este é, ainda assim, um projeto legislativo bem menos ambicioso que aquele que Biden pediu aos democratas para aprovar em 2021 e valia 3,5 mil milhões de dólares. A Câmara dos Representantes aprovou uma versão reduzida, de 2 mil milhões, mas Manchin opôs-se também a esta no Senado.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira, 8 de agosto

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta segunda-feira.

Zaporizhzhia. Ucrânia e Rússia querem visita da AIEA à central nuclear após ataques

Os apelos surgem depois de acusações mútuas sobre a origem dos ataques ao reator da central nuclear de Zaporiyia, no sul da Ucrânia.

Revista de imprensa internacional: as notícias que estão a marcar a atualidade global

EUA preparam-se para investir 362 mil milhões no combate às alterações climáticas; Pfizer adquire biofarmacêutica em troca de 5,3 mil milhões; Continuam os exercícios militares chineses perto da ilha de Taiwan
Comentários