EUA anunciam programa de apoio às eleições parlamentares de 2023 em Timor-Leste

O programa, anunciado esta semana em Díli, abrange ainda iniciativas para dar voz e refletir os interesses e preocupações dos cidadãos, a formação partidária e a observação eleitoral.

Os EUA vão canalizar 1,25 milhões de dólares (1,19 milhões de euros) para apoiar as eleições parlamentares de 2023 em Timor-Leste, que inclui uma sondagem e assistência a mulheres e jovens candidatos.

O programa, anunciado esta semana em Díli, abrange ainda iniciativas para dar voz e refletir os interesses e preocupações dos cidadãos, a formação partidária e a observação eleitoral.

“Como uma democracia vibrante, Timor-Leste tem feito progressos excecionais para promover a dignidade e a voz inerente de cada um dos seus cidadãos, enquanto trabalha para fortalecer as suas instituições democráticas”, explicou a diretora de missão da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento (USAID, na sigla em inglês) em Timor-Leste, Zema Semunegus.

“No quadro de apoio a estes esforços, a USAID tem o prazer de disponibilizar 1,25 milhões de dólares para ajudar Timor-Leste a facilitar eleições parlamentares inclusivas, livres, justas e credíveis”, nota Zema, em comunicado.

As iniciativas vão ser implementadas no terreno por vários parceiros da USAID, nomeadamente o Consórcio de Eleições e Processos Políticos, o Instituto Republicano Internacional e a Fundação Internacional para os Sistemas Eleitorais.

Envolvendo ainda vários parceiros locais, o programa prevê a “implementação de atividades de promoção de eleições inclusivas, livres e justas” em Timor-Leste através da “Atividade Parlamentar Inclusiva”.

“A USAID dará prioridade às sondagens de opinião e à formação de campanhas para mulheres e jovens candidatos, para ajudar as campanhas a responder aos interesses e preocupações dos cidadãos. A formação partidária e a observação das eleições internas ajudarão a garantir a transparência e integridade dos eleitores”, refere.

Trata-se, explica a USAID, de apoiar Timor-Leste a fortalecer a sua democracia, ajudando a ter uma cidadania informada e que possa exercer em segurança o seu direito de voto, ainda num quadro de efeitos da pandemia da covid-19, promovendo a “legitimidade e a transparência do processo eleitoral”.

A organização de cooperação internacional dos Estados Unidos apostará nos próximos meses em atividades de inclusão, educação e divulgação de informação eleitoral, promovendo espaços de diálogo entre os partidos políticos e os candidatos.

As atividades serão implementadas, explica, “em estreita coordenação com os órgãos de gestão eleitoral de Timor-Leste”, nomeadamente a Comissão Nacional de Eleições e o Secretariado Técnico para a Administração Eleitoral.

Um dos instrumentos da atividade será o programa informativo e de debate Ko’alia Ba Ha’u! (“Fala comigo!”) que dará “informações eleitorais aos eleitores rurais e urbanos em Timor-Leste”.

“Em colaboração com parceiros timorenses, as campanhas de educação informarão e ativarão a participação dos cidadãos na eleição, com foco nas mulheres, pessoas com deficiência, eleitores rurais, comunidade LGBTQI+ e jovens”, explica.

Recomendadas

FMI apoia Guiné-Bissau a redigir o novo regime de isenções fiscais

A missão liderada por David Baar, economista sénior do Departamento de Assuntos Fiscais do FMI, vai permanecer no país até sexta-feira e na segunda-feira já esteve reunida com os secretários de Estado do Tesouro, Orçamento e Assuntos Fiscais e os diretores-gerais das Alfândegas, das Contribuições e Impostos e da Previsão e Estudos Económicos.

Timor-Leste e ASEAN definem linhas mestras de adesão em reunião em Jacarta

Esta é a primeira reunião em que Timor-Leste participa como observador e uma oportunidade para o país e os Estados-membros da ASEAN definam as linhas mestras do processo a cumprir para que Díli possa, ainda este ano, aderir como membro de pleno direito à organização, disse à Lusa a ministra dos Negócios Estrangeiros timorense, Adaljiza Magno.

Angola arrecadou 1,95 mil milhões de dólares com a venda de diamantes em 2022

Segundo o chefe do departamento de Planeamento do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatísticas do Ministério dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás, Alexandre Garret, do total de diamantes produzidos no ano passado, 8,71 milhões de quilates são provenientes da produção industrial e os restantes da semi-industrial.
Comentários