EUA: Biden escolhe Susan Rice como assessora de política interna

Mais uma antiga ‘militante’ de um governo do antigo presidente Barack Obama está de regresso à administração pela mão de Joe Biden. A escolha não deixou de surpreender os analistas: Rice é especialista em política externa.

O presidente eleito dos Estados Unidos escolheu Susan Rice, que foi conselheira de segurança nacional do ex-presidente Barack Obama, para liderar o conselho de política interna da Casa Branca.

A escolha de Rice, de 56 anos, como principal conselheira de política interna de Biden foi uma surpresa, dada sua extensa experiência em relações internacionais. Além de seu papel como conselheira de segurança nacional de Obama, Rice serviu anteriormente como embaixadora nas Nações Unidas.

Rice chegou a ser dada como possível para o papel de secretária de Estado, mas provavelmente terá enfrentado oposição feroz dos republicanos no Congresso por causa do seu papel numa polémica sobre o ataque mortal de 2012 à missão dos Estados Unidos em Benghazi, na Líbia. Na altura, Rice assumiu um confronto politicamente violento com os republicanos.

Biden também escolheu o ex-governador de Iowa, Tom Vilsack, para ocupar um segundo mandato como secretário da Agricultura, depois de ter trabalhado com Obama; o assessor da Casa Branca de Obama, Denis McDonough, como secretário de Assuntos de Veteranos; a representante dos Estasdos Unidos Marcia Fudge para chefiar o Departamento de Habitação e Urbanismo; e Katherine Tai como Representante do Comércio dos Estados Unidos.

As escolhas refletem o compromisso de Biden com um governo diversificado, ao mesmo tempo em que demonstra o desejo de recompensar os apoiantes de longa data e os veteranos do governo Obama com quem trabalhou, refere a imprensa norte-americana.

O cargo de política interna da Casa Branca não requer confirmação do Senado dos EUA. Biden acabou escolhendo o conselheiro de longa data Antony Blinken para chefiar o Departamento de Estado.

Recomendadas

Ameaça nuclear de Putin “deve ser levada a sério”, alerta analista

“Estamos a abordar uma situação considerada impensável. Uma nova realidade”, vincou Eugene Rumer, ex-oficial dos serviços de informações para a Rússia e Eurásia no Conselho de Inteligência Nacional dos Estados Unidos e diretor do programa Rússia e Eurásia do Carnegie Endowment Endowment for International Peace.

Eleições em São Tomé. Patrice Trovoada exorta primeiro-ministro a reconhecer a derrota

O presidente da Ação Democrática Independente (ADI), partido mais votado nas legislativas de São Tomé e Príncipe, exortou hoje o primeiro-ministro, Jorge Bom Jesus, a reconhecer a derrota do MLSTP/PSD “o mais rapidamente possível” para apaziguar o clima social.

CPLP e comunidade da África Central negoceiam cooperação política e de formação em português

A Comunidade Económica dos Estados da África Central e a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) discutiram hoje formas de cooperação no domínio político, desenvolvimento da língua portuguesa e comissões de observação eleitoral, referiram responsáveis das organizações.
Comentários