EUA com mais de 3.700 mortos e mais de 250 mil casos em 24 horas

Esta é a terceira vez que os Estados Unidos registam mais de três mil mortes diárias numa semana. O anterior máximo em 24 horas foi em finais de abril, no pico da primeira vaga.

Estados Unidos | Lucas Jackson/Reuters

Os Estados Unidos registaram na quarta-feira um pesado balanço de mais de 3.700 mortos devido à covid-19 e mais de 250 mil casos, num só dia, indicou a contagem independente da Universidade Johns Hopkins.

O país está a confrontar-se há mais de um mês com um aumento dos casos da doença causada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2 e cerca de 113 mil pessoas estão atualmente hospitalizadas devido à covid-19, de acordo com dados do Ministério da Saúde norte-americano.

Nas últimas 24 horas, as autoridades sanitárias norte-americanas registaram 3.784 óbitos e 250.458 casos de covid-19, o que eleva para para 307.076 mortos e 16.931.636 contágios o balanço total desde o início da pandemia, de acordo com os últimos dados atualizados às 20:00 (01:00 de hoje em Lisboa).

Esta é a terceira vez que os Estados Unidos registam mais de três mil mortes diárias numa semana. O anterior máximo em 24 horas foi em finais de abril, no pico da primeira vaga.

Também os contágios estão em alta há duas semanas, tendo a barra dos 200 mil casos sido ultrapassada em 11 dos 14 últimos dias.

Os responsáveis sanitários norte-americanos tinham já advertido para um agravamento da situação, na sequência da grande festa familiar de Thanksgiving, há três semanas, quando milhões de norte-americanos viajaram para se reunirem com familiares

Os peritos disseram recear que a situação piore com as festas de final do ano e alertaram que a campanha de vacinação, lançada na segunda-feira, no país, não vai travar o atual aumento, uma vez que serão necessários vários meses para que uma parte suficientemente importante da população fique imunizada.

Oficialmente, o Governo norte-americano comprou 100 milhões de doses da vacina Pfizer/BioNTech.

O estado de Nova Iorque continua a ser o mais atingido com 35.927 mortos.

O número de mortes excede as estimativas iniciais da Casa Branca, que projetava entre 100 mil e 240 mil óbitos.

O Presidente norte-americano, Donald Trump, baixou essas estimativas e estava confiante de que o número final ficaria entre 50 mil e 60 mil mortos, embora mais tarde tenha previsto até 110 mil mortes, um número que também já foi largamente ultrapassado.

O Instituto de Métricas e Avaliação da Saúde da Universidade de Washington estimou que até à altura em que Trump deixar a Casa Branca, em 20 de janeiro, 380 mil pessoas terão morrido, com o número a subir para 500 mil em 01 de abril.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.636.687 mortos resultantes de mais de 73,4 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Recomendadas

Consórcio confirma existência de petróleo em São Tomé e Príncipe

O consórcio é composto pela Galp STP (operador) com 45% de interesses participativos, Shell STP com 45%, e a ANP–STP, em representação do Estado são-tomense, com 10% de interesses participativos.

Bósnia-Herzegovina: eleições ensombradas por milhares de votos inválidos

Quatro dias após as eleições, ainda não há resultados validados e o risco do não reconhecimento do ato eleitoral ou da sua repetição é grande. Entretanto, na República Srpska, Mirolad Dodic jura fidelidade a Moscovo.

Lado turco de Chipre exige reconhecimento às forças de paz da ONU

A República Turca do Chipre do Norte, país que só a Turquia reconhece, quer que a força de paz da ONU, que está no terreno desde 1964, reconheça a existência do país. Ou então que se retire.
Comentários