EUA: Congresso reúne-se este fim de semana para aprovar novo pacote de apoio às famílias e empresas

Caso o resgate de 900 mil milhões de dólares seja aprovado, estará incluído um subsídio mensal de 600 dólares (cerca de 489,5 euros) para maioria dos norte-americanos e um subsídio de desemprego de 300 dólares semanais (cerca de 244,75 euros).

Presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi | Foto de Alex Wong / Getty Images

Os legisladores democratas e republicanos vão estar reunidos durante o fim de semana para chegar a um consenso sobre o valor do pacote de apoio às famílias e às empresas afetadas pela Covid-19 nos EUA. De acordo com a notícia avançada pela “Reuters”, este sábado, em cima da mesa está um cheque de cerca de 900 mil milhões de dólares (cerca de 734,24 mil milhões de euros).

Caso seja aprovado, este seria o maior pacote de ajuda aos lesados norte-americanos desde esta primavera, altura em que o Congresso aprovou mais de quatro biliões de dólares (cerca de 3,26 biliões de euros) em apoios num país onde a pandemia já matou 311.000 americanos e deixou milhões sem trabalho.

Os números semanais do desemprego nos EUA voltaram a subir esta semana, tendo-se verificado 885 mil novos pedidos de apoio a uma situação de perda do posto de trabalho, reportou esta quinta-feira o Departamento do Trabalho norte-americano.

Os republicanos continuam a pressão sobre a Reserva Federal para conter os programas de empréstimos para a PME e emissores de títulos municipais que visavam aliviar os prejuízos provocados pela pandemia.

Os partidos também discordam sobre quanto dar aos locais de artes forçados a encerrar devido às restrições contra a propagação do vírus e quanto deste pacote de emergência deve ir para os governos locais para financiar as cadeiras de fornecimento de equipamentos de proteção individual para escolas.

A agência informa ainda que este novo apoio financeiro deverá incluir subsídios de 600 dólares (cerca de 489,5 euros) para a maioria dos norte-americanos, um subsídio de desemprego de 300 dólares semanais (cerca de 244,75 euros), ajuda aos estados para facilitar a distribuição da vacinas contra o coronavírus e mais assistência para pequenas empresas.

“Os líderes estão a trabalhar 24 horas por dia”, explicitou o líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell, na sexta-feira, durante a manhã, considerando que estava otimista em relação à remoção dos obstáculos que ainda dificultam o processo.

O acordo “está muito próximo”, acrescentou McConnel, que apenas esta semana reconheceu o democrata Joe Biden como Presidente eleito, depois da confirmação do Colégio Eleitoral.

“O Senado ficará aqui até que se chegue a um acordo”, prosseguiu, dando a entender que as negociações, provavelmente, vão prosseguir e que este prolongamento aprovado pela Câmara dos Representantes foi bem-vindo.

Contudo, se tal não acontecer, as negociações ficam num impasse e o ‘shutdown’ é o cenário mais provável, engrossando a densidade da crise no país e retardando a recuperação económica.

Recomendadas

Covid-19: China anula várias medidas de prevenção e sinaliza fim da estratégia ‘zero casos’ (com áudio)

O Conselho de Estado (Executivo) anunciou que quem testar positivo para o vírus pode, a partir de agora, cumprir isolamento em casa, em vez de ser enviado para instalações designadas, muitas vezes em condições degradantes.

Covid-19: Pandemia provocou mais 300 mil mortes na UE do que as oficiais, diz OCDE

“No final de outubro de 2022, mais de 1,1 milhões de mortes de covid-19 foram reportadas em todos os 27 países da UE, mas os dados sobre o excesso de mortalidade sugerem que se trata de uma subestimativa e que mais 300 mil pessoas morreram devido ao efeito direto ou indireto da pandemia”, refere o relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e da Comissão Europeia (CE).

Covid-19: Problemas de saúde mental aumentaram na Europa, sobretudo nos jovens

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) explica no relatório comparativo da situação de saúde na Europa que, enquanto em 2019 a percentagem de jovens entre 15 e 24 anos com sintomas de depressão era de 6%, contra 7% nos adultos, com o coronavírus os números aumentaram em todos os países para os quais existem dados.
Comentários