EUA, Coreia do Sul e Japão planeiam exercício conjunto face a ameaça norte-coreana (com áudio)

Segundo uma fonte não identificada, citada pela agência sul-coreana, o exercício, que os três países realizam de dois em dois anos, está programado para as primeiras duas semanas de agosto.

Coreia do Sul, Japão e Estados Unidos planeiam realizar em agosto um exercício conjunto de deteção de mísseis perto do Havai, face à crescente sofisticação do arsenal norte-coreano, informou a agência de notícias Yonhap.

Segundo uma fonte não identificada, citada pela agência sul-coreana, o exercício, que os três países realizam de dois em dois anos, está programado para as primeiras duas semanas de agosto.

Os ministros da defesa dos três países concordaram em realizar estes exercícios numa reunião trilateral, realizada no âmbito do fórum de diálogo Shangri-La, que teve lugar no fim de semana em Singapura.

A mesma fonte indicou que o Canadá e a Austrália também vão participar no exercício este ano.

O acordo para a realização do exercício aconteceu num momento em que Coreia do Sul, Japão e Estados Unidos procuram intensificar a cooperação em matéria de segurança face ao número recorde de testes de mísseis realizados pela Coreia do Norte este ano (19) e à possibilidade de Pyongyang realizar em breve um novo teste nuclear.

A Coreia do Norte, completamente isolada do mundo exterior desde o início da pandemia, ignorou os convites para retomar o diálogo sobre desarmamento.

Recomendadas

Mario Draghi deixa cimeira da NATO para tentar resolver tensões no governo italiano

O primeiro-ministro italiano deixou a cimeira da NATO em Madrid para regressar a Roma e presidir quinta-feira a uma reunião do Conselho de Ministros em pleno clima de tensão política.

Canábis: estudo revela riscos de consumo recreativo

Causa sérios riscos de hospitalização por problemas físicos e mentais, pelo que “não é tão positivo e seguro como se possa pensar”, diz o autor do estudo, professor assistente e investigador na Universidade de Toronto.

CEO deixa empresa de 65 mil milhões para ir para a “praia e não fazer nada”

Formica, que está no Reino Unido há quase três décadas, disse em entrevista que a sua saída se deve a “motivos pessoais”, incluindo o desejo de estar mais perto dos pais já idosos. Planeia voltar para a Austrália, o seu país natal.
Comentários