EUA. Democratas e republicanos fazem contas mas resultados demoram a chegar

Já todos perceberam que a vitória vai ficar demasiado próxima da derrota e não valem a pena grandes festejos. Joe Biden, que recebeu excelentes notícias sobre a economia interna, diz-se pronto para trabalhar com todos.

Com os resultados finais das votações da passada terça-feira a demorarem uma eternidade a surgirem, o impasse sobre quem venceu a consulta mantém-se – e tanto na Câmara dos Representantes como principalmente no Senado, ainda nenhum dos partidos pôde assumir a vitória.

Ou a derrota – isto apesar de, num raro momento de adesão á realidade, o ex-presidente Donald Trump já ter afirmado que está “dececionado” com os resultados dos republicanos, que evidentemente colocam em causa a sua estratégia de concorrer à presidência em 2024.

Entretanto, do outro lado, Biden já disse que está preparado para dialogar com todo o espectro político, republicanos incluídos, no sentido de diminuir a tensão política que continua latente. E de, evidentemente, tentar não ficar enclausurado durante dois anos na armadilha da perda da maioria em uma ou nas duas câmaras do Congresso. No final da passada terça-feira, enquanto os norte-americanos eram surpreendidos com as palavras comedidas de Trump, terão ficado não menos surpreendidos com as de Biden, segundo as quais está a ponderar candidatar-se a um segundo mandato.

Numa altura em que avolumam as evidências de que a saúde do presidente já não é um dado adquirido, vários comentadores dicaram surpreendidos com a (pré) decisão.

Enquanto espera por saber se ganhou ou perdeu as eleições, Joe Biden teve uma boa notícia na frente económica: a inflação homóloga abrandou para 7,7% e a variação mensal registou para uma subida de 0,4%, com ambos os valores a ficarem bem abaixo das estimativas (7,9% e 0,6%, respetivamente). A taxa de inflação em setembro fixou-se nos 8,2% – sendo que os 7,7% agora contabilizados são a menor registada mensalmente desde janeiro (7,5%).

Wall Street respondeu de imediato, subindo cerca de 4% na abertura em relação ao fecho de quarta-feira, dado que os investidores ficam agora à espera que o policiamento da Reserva Federal em relação às taxas de juro possa abrandar – não será com certeza para já, o que vai explicar as próximas descidas dos índices, mas não deixa de ser um bom indicador.

Biden apressou-se a divulgar uma declaração aplaudindo os dados, onde dizia que “mostram que estamos a progredir na redução da inflação, sem abrir mão de todo o progresso que fizemos no crescimento económico e na criação de emprego”. “O meu plano económico está a mostrar resultados e os norte-americanos podem ver que estamos a enfrentar os desafios económicos globais de uma posição de força”. Desgraçadamente, os novos dados demoraram 48 a mais a chegar ao conhecimento dos norte-americanos!

Biden referiu-se ainda, na mesma nota, à possibilidade de os democratas perderem as suas maiorias em uma ou em ambas as câmaras. “Trabalharei com qualquer pessoa – democrata ou republicano – em ideias para dar mais espaço às famílias de classe média e aos trabalhadoras. E opor-me-ei a qualquer esforço para desfazer a minha agenda com iniciativas que possam piorar a inflação”.

Relacionadas

EUA: Biden planeia recandidatar-se à presidência em 2024

O presidente norte-americano disse que planeia recandidatar-se à presidência, mas afirmou que a decisão deverá ser tomada “no início do próximo ano”.

EUA: Resultados eleitorais “de certa forma dececionantes”, diz Donald Trump

O ex-presidente norte-americano admitiu que os resultados do seu partido foram dececionantes por não terem produzido a “onda vermelha” que tinha antecipado. O país espera o próximo capítulo da ‘novela’, previsto para 15 de novembro.
Recomendadas

Humanidade só se salva se defender o planeta Terra e a biodiversidade- Guterres

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, afirmou hoje que a única saída para salvar a Humanidade é “investir no planeta Terra” e deter a perda de biodiversidade.

Peru: Vice-Presidente investida como nova chefe de Estado

Dina Boluarte, anterior vice-presidente peruana, foi empossada como a nova chefe de Estado, depois de Pedro Castillo ter sido destituído pelo Congresso, acusado de tentar executar um golpe de Estado ao anunciar a dissolução daquele órgão.

Irão: Greve resulta em mais um dia de repressão de protestos estudantis

O Irão viveu mais uma jornada de greve com o comércio parcialmente fechado e manifestações de estudantes universitários contra o regime, reprimidas pelas forças de segurança.
Comentários