EUA: Emprego mantém-se robusto e aumenta incerteza quanto aos juros

O desemprego até cresceu, mas a criação de emprego superou as expectativas, com aumentos transversais a vários sectores. Crescimento está em queda e começa a haver sinais de fraqueza no horizonte; ainda assim, é prematuro excluir uma nova subida de 75 pontos, afirmam analistas.

Apesar do mínimo na criação de emprego desde dezembro de 2020, o mercado laboral norte-americano voltou a superar as expectativas ao acrescentar 261 mil postos de emprego em outubro, acima dos 200 mil esperados pelo mercado. Estes números agravam a incerteza quanto ao ciclo de subida dos juros, ao mostrarem maior resistência na vertente laboral e dando mais folga à Reserva Federal para manter o atual ritmo de aumentos.

Os ganhos foram transversais a vários sectores, com destaque para os cuidados de saúde, com mais 53 mil postos distribuídos por primeiros socorros, lares e hospitais. Também os serviços profissionais técnicos viram o emprego subir 43 mil postos, ao passo que a indústria criou inesperadamente 32 mil empregos, numa altura em que se teme um abrandamento da atividade.

Ainda assim, o desemprego aumentou e mais do que o esperado, avançando de 3,5% em setembro para 3,7%, quando o mercado projetava 3,6%. Ao mesmo tempo, a taxa de participação recuou 0,1 pontos percentuais para 62,2%.

Olhando para os dados, o banco ING antecipa que “o mercado laboral permanece bastante robusto, mantendo viva a possibilidade de um quinto aumento de 75 pontos base (p.b.)” nos juros diretores. James Knightley, analista sénior do banco neerlandês, refere que os números “suportam o argumento de excesso de procura” por emprego, especialmente as 1,9 vagas abertas por cada desempregado.

Ao mesmo tempo, os salários cresceram 0,4% em cadeia, depois de abrandarem ligeiramente para 0,3% em setembro, o que contraria a expectativa do banco de “uma clara queda” nesta evolução. Em termos homólogos, os salários horários cresceram 4,7%, em linha com o esperado e mais uma fonte de pressão nos preços da maior economia do mundo.

Por outro lado, os sinais de fraqueza começam a surgir, sublinhando o atraso com que a política monetária se faz sentir na economia real. Apple, Amazon e Lyft são apenas algumas das empresas que anunciaram recentemente a interrupção de processos de contratação, relembra a CNBC, espelhando o abrandamento que os números indiciam.

De notar ainda que os números de setembro foram substancialmente revistos para cima, com a leitura corrigida a apontar para 315 mil, muito acima dos 52 mil originalmente reportados. Os dados de agosto foram revistos em baixa para 292 mil, um corte de 23 mil postos.

Relacionadas

EUA. 261 mil novos empregos em outubro, valor mínimo de quase dois anos

Foram registados 261 mil novos empregos nos EUA em outubro. Apesar de os números representarem uma queda face aos registos anteriores, estão acima daquelas que eram as expetativas dos mercados.
Recomendadas

Empresa espanhola de armamento recebeu carta semelhante à que explodiu na embaixada da Ucrânia

Uma empresa espanhola de armamento recebeu um envelope similar ao que foi enviado para a embaixada da Ucrânia em Madrid e que explodiu.

Cimeira da NATO: o Ártico é a próxima fronteira

A entrada da Suécia e da Finlândia na NATO, um dos temas centrais da agenda da cimeira da Roménia, transforma o Ártico numa nova zona de conflito potencial. A Rússia lembrou esse perigo, que Jens Stoltenberg conhece bem.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.
Comentários