EUA. ‘Estrelas’ Hillary e Kamala em auxílio a governadora democrata ameaçada

Na reta final das eleições intercalares norte-americanas, o Partido Democrata mobilizou no apoio à campanha da governadora de Nova Iorque, em luta renhida com o adversário Republicano,​​​​​’estrelas’ como a vice-presidente Kamala Harris e a ex-secretária de Estado Hillary Clinton.

“Esta não é apenas uma escolha entre dois candidatos – é uma escolha entre duas ideias muito diferentes. Esta é uma eleição sobre quem somos como Estado e país e sobre o tipo de futuro que queremos”, disse Clinton perante cerca de 350 pessoas, na maioria jovens mulheres estudantes, ao final da tarde de quinta-feira na Barnard College, uma faculdade privada de artes para mulheres localizada em Manhattan.

O comício de campanha era favor da também democrata Kathy Hochul, que tenta manter-se no cargo de governadora de Nova Iorque e que as sondagens colocam numa corrida apertada contra o republicano Lee Zeldin, mas as principais atrações do evento eleitoral – anunciado como um “Comício das Mulheres” e que obrigou a uma segurança apertada do local – foram Kamala Harris, a primeira mulher a ser eleita para o segundo cargo mais alto do país, e Hillary Clinton.

“Eles [republicanos] querem mais armas nas ruas, querem mais poder para os super ricos e menos poder para todos os outros. Temos de os responsabilizar por isso e a forma de o fazermos é garantir que Kathy Hochul permanece no cargo”, acrescentou Clinton, a primeira mulher a ser candidata presidencial de um grande partido e a primeira senadora de Nova Iorque.

Tocando na economia, um dos temas que mais preocupa os norte-americanos, a ex-secretária de Estado repetiu argumentos usados esta semana pelo Presidente, Joe Biden, de que se os republicanos obtiverem o poder no Congresso irão cortar a segurança social e o ‘Medicare’, sistema público de seguros de saúde.

“Não sei como é que alguém que se preocupa com a economia votaria num candidato que se posiciona contra programas de apoio à economia das famílias”, criticou Hillary Clinton.

A ex-candidata presidencial não deixou de fora o aborto, um dos temas que mais tem mobilizado a juventude norte-americana após o Supremo Tribunal ter revertido, em junho último, a sua constitucionalidade.

De acordo com Clinton, o adversário de Kathy Hochul, e os Republicanos em geral, querem “mover os ponteiros do relógio para trás, para reverter os direitos das mulheres”.

Na próxima terça-feira, Kathy Hochul pode tornar-se a primeira mulher a ser eleita governadora de Nova Iorque, depois de se ter tornado na primeira mulher a ocupar este cargo em agosto de 2021, na sequência da renúncia de Andrew Cuomo​​​​​​​ à função devido a uma polémica de assédio sexual.

Já Kamala Harris alertou que resta pouco tempo “para fazer algo muito grande, que é eleger Kathy Hochul”.

“Vamos precisar de pessoas que tenham a coragem de se levantar e lutar contra o que está a acontecer”, acrescentou Harris.

A presença de nomes sonantes dos Democratas acontece num momento em que a disputa entre Hochul e Zeldin é acirrada, num estado que tem duas vezes mais democratas do que republicanos.

Trata-se um último esforço para tentar levar mais democratas às urnas, especialmente o eleitorado feminino.

Além de Clinton e Harris, participou no comício​​​​​​​ também a procuradora-geral de Nova Iorque, Letitia James, outra figura progressista influente, colocando nas jovens ali presentes a “esperança” de que Hochul será eleita.

“Se querem um grande trabalho bem feito, deem-no a uma mulher”, disse Letitia James.

“Para todos vocês, mas particularmente para as mulheres de Nova Iorque, este é o nosso momento”, afirmou, por sua vez, Kathy Hochul ao subir ao palco ao som da música “Girl On Fire”, de Alicia Keys, que se misturou com os aplausos e gritos de apoio da plateia feminina.

Pouco antes do início do evento, apoiantes de Lee Zeldin – aliado do ex-presidente Donald Trump – protestaram em frente ao Barnard College, gritando: “nós trabalhamos pela nossa liberdade, estamos dispostos a morrer pelo nossa liberdade, pelo que é que você está disposto a morrer?”.

Recomendadas

Cimeira da NATO: o Ártico é a próxima fronteira

A entrada da Suécia e da Finlândia na NATO, um dos temas centrais da agenda da cimeira da Roménia, transforma o Ártico numa nova zona de conflito potencial. A Rússia lembrou esse perigo, que Jens Stoltenberg conhece bem.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Morreu Jiang Zemin, ex-presidente e um dos construtores da China moderna

Foi um dos obreiros do crescimento económico da China e pretendeu construir um relacionamento estável com os Estados Unidos. Queria uma China a “entrar no mundo”.
Comentários