EUA expulsam 35 diplomatas russos em resposta a ciberataques

Alegados ataques informáticos durante as eleições provocaram uma decisão forte de Barack Obama. Ainda não se sabe se Trump vai reverter as medidas.

As alegadas interferências da Rússia nas eleições presidenciais norte-americanas de novembro instigaram o presidente Barack Obama a expulsar 35 diplomatas russos e a sancionar nove entidades e indivíduos.

Num comunicado emitido hoje, Obama informou que as ações vêm em resposta à perseguição “agressiva” a norte-americanos e a operações cibernéticas que visaram os EUA.

Adiantou que “emitiu uma ordem executiva que fornece autoridade adicional para responder a certos tipos de atividade cibernética que visam interferir ou minar o nosso processo eleitoral e instituições, ou os dos nossos aliados e parceiros”

“Todos os americanos devem ficar alarmados com as ações da Rússia”, sublinhou.

Obama adiantou que, usando esses novos poderes, sancionou nove entidades e indivíduos:  a GRU e o FSB, duas agências russas; quatro agentes da GRU; e três empresas que forneceram apoio material às operações.

O presidente americano, que acusa a Rússia de violar as normas do sistema internacional,  também decidiu encerrar duas instalações russas responsáveis pela recolha de informações nos estados de Maryland e Nova Iorque.

Segundo Obama, os diplomatas norte-americanos em Moscovo foram perseguidos pela polícia russa e pelas entidades de segurança durante este ano. Apelou ainda aos aliados internacionais para cooperarem na oposição “aos esforços russos no que minam as normais internacionais estabelecidas” e de “interferem na governança democrática”.

Obama frisou que os 35 agentes  são agora “persona non grata” nos EUA.

O chefe do Estado norte-americano já tinha anunciado intenções de tomar medidas na sequência dos alegados ataques informáticos durante as eleições.

Segundo a Reuters, ainda não é claro se o presidente-eleito Donald Trump, que tem repetidamente elogiado o presidente russo Vladimir Putin e nomeado pessoas vistas como próximas de Moscovo para postos importantes na nova administração, irá reverter as medidas anunciadas hoje. Trump toma posse a 20 de janeiro.

 

Relacionadas

Guerra entre Presidentes: Trump acusa Obama de dificultar transição

Presidente eleito dos EUA acusou o ainda chefe de Estado norte-americano, Barack Obama, de fazer declarações “inflamatórias” e de dificultar o processo de transferência de poder.

Obama confiante de que venceria Trump se a Constituição permitisse

O ainda Presidente dos EUA, Barack Obama, que deixará a Casa Branca em janeiro, afirmou acreditar que seria reeleito para um terceiro mandato caso a Constituição norte-americana permitisse a sua candidatura.

Obama promete resposta aos ataques informáticos feitos pela Rússia durante as presidenciais

Ataque de pirataria russo teve como finalidade beneficiar Donald Trump durante a corrida à Casa Branca.
Recomendadas

Joe Biden declara emergência para a Florida por causa da tempestade Ian

A tempestade tropical Ian, que se prevê possa converter-se em furacão, avança este domingo pelas Caraíbas em direção às Ilhas Caimão, numa trajetória que deverá levá-la ao oeste de Cuba e ao sudeste do Golfo do México no início da semana.

Eleições em Itália: Salvini confiante de que a Liga será uma das forças parlamentares “no pódio”

Nestas eleições, nas quais o bloco de direita, liderado por Meloni, é o favorito, cerca de 50 milhões de pessoas terão de ir às urnas, com mais de quatro milhões de italianos no exterior.

São Tomé/Eleições: PM são-tomense espera eleições ordeiras e “com toda a transparência”

O chefe do executivo afirmou que “o processo na sua globalidade está a decorrer” conforme as expectativas “e fazendo jus à tradição democrática que se vive em São Tomé e Príncipe”, apesar de um protesto na localidade do Bairro do Hospital por falta de água potável na zona.
Comentários