EUA. Florida tenta impedir presença de observadores federais

O governo estadual Republicano da Florida está a tentar impedir que observadores federais tenham acesso a locais de votação, para onde foram enviados com a missão monitorizar o processo das eleições intercalares nos EUA.

Ron DeSantis

Na segunda-feira, o Governo dos Estados Unidos anunciou que enviaria observadores em 64 jurisdições de 24 estados do país, incluindo vários condados na Florida, para acompanhar o desenrolar das eleições intercalares e para garantir que o direito de voto é cumprido.

Hoje, num comunicado divulgado pelos ‘media’ norte-americanos, o governo regional do Republicano Ron DeSantis – que é uma das figuras mais proeminentes do Partido Republicano e procura a reeleição como governador, cargo que ocupa desde 2019 – disse que o envolvimento das autoridades federais seria “contraproducente” e violaria a lei do estado.

O governo estadual informou ainda que vai enviar os seus próprios observadores aos três condados onde as autoridades federais se propunham fazer a monitorização do processo eleitoral.

“Os estatutos da Florida determinam a lista das pessoas que podem entrar nas salas de votação. E os observadores do Departamento de Justiça não estão nessa lista”, explicou Brad McVay, conselheiro-chefe do departamento do estado da Florida, no comunicado.

McVay lembrou que nenhum daqueles três condados está sob suspeita de violar as regras eleitorais, pelo que o governo estadual não compreende a necessidade de presença de agentes federais nas mesas de voto.

Na passada sexta-feira, também o governo estadual Republicano do Missouri tinha anunciado que não permitiria funcionários do Departamento de Justiça junto das mesas de voto, depois de o Governo federal ter anunciado uma “inspeção de rotina” junto de alguns condados, para verificar as condições de voto de pessoas com deficiências.

Desde que a Lei dos Direitos de Voto foi promulgada em 1965, o Gabinete de Direitos Civis tem monitorizado as eleições em jurisdições de todo o país, para proteger os direitos dos eleitores e o cumprimento das leis eleitorais federais.

As eleições intercalares norte-americanas que hoje se realizam determinarão qual o partido que controlará o Congresso nos dois últimos anos do mandato do Presidente Joe Biden, estando também em jogo 36 governos estaduais e vários referendos estaduais a medidas sobre questões-chave, incluindo aborto e drogas leves.

Em disputa estarão todos os 435 lugares na Câmara dos Representantes, onde os democratas atualmente têm uma estreita maioria de cinco assentos, e ainda 35 lugares no Senado, onde os democratas têm uma maioria apenas graças ao voto de desempate da vice-presidente Kamala Harris.

As eleições podem não apenas mudar a cara do Congresso norte-americano, mas também levar ao poder governadores e autoridades locais totalmente comprometidos com as ideias de Donald Trump. Uma derrota muito pesada nestas próximas eleições pode complicar ainda mais o cenário de um segundo mandato presidencial para Joe Biden.

Relacionadas

Respostas rápidas. Intercalares nos EUA: muito mais que uma escolha de deputados

Momento importante no quadro da política interna, as intercalares dos Estados Unidos servirão desta vez para adensar a questão que está a marcar a agenda internacional: estará Donald Trump de volta em 2024?
Recomendadas

Governo italiano aprova envio de armas à Ucrânia para todo o ano de 2023

O Governo italiano aprovou um decreto prolongando o fornecimento de ajuda, incluindo armamento, à Ucrânia para todo o ano de 2023.

PremiumUcrânia à espera do inverno e dos mísseis norte-americanos Patriot

A NATO não parece disposta a enviar os mísseis para a Ucrânia, e a Rússia já avisou que, se isso acontecer, tirará as devidas ilações.

PremiumProtestos na China “não têm dimensão de revolta política”

Os protestos face à política Covid zero na China chegaram a assumir alguma violência, mas os analistas não conseguem descobrir em Guangzhou qualquer sintoma da morte iminente do regime de Xi Jinping. ANATO manteve um olhar atento ao país asiático.
Comentários