EUA: Fornecedores vão poder bloquear internet para cobrar mais pelo serviço

O regulador norte-americano das comunicações decidiu esta semana eliminar proteções à neutralidade da internet que tinham sido impostas durante a presidência de Barack Obama.

Os fornecedores de internet nos Estados Unidos vão passar a poder bloquear sites, aumentar preços ou reduzir a velocidade de acesso, dentro de algumas semanas, como resultado da decisão da Federal Communications Commission (FCC), segundo o Diário de Notícias.

O regulador norte-americano das comunicações decidiu esta semana eliminar proteções à neutralidade da internet que tinham sido impostas durante a presidência de Barack Obama. Segundo a FCC, a decisão aprovada por três republicanos contra dois democratas significa o “regresso a uma regulação leve e bipartidária” que irá “restaurar a liberdade da internet”.

No entanto, dará a possibilidade às empresas como Comcast, AT&T, Spectrum e Verizon de aumentaram os preços e a darem prioridade às plataformas de conteúdos próprios, escreve o matutino. Por outro lado, empresas de internet, de que são exemplo a Netflix, Amazon ou Google, ou fornecedores de televisão online, poderão ter de pagar mais aos fornecedores de serviço, o que poderá levar a diminuição na qualidade dos serviços.

Recomendadas

Capgemini Portugal estima que receitas cresçam 16% em 2022 e tem 600 vagas de trabalho por preencher

A consultora tecnológica revelou ainda que está prestes a lançar o quarto laboratório de investigação no país, que será dedicado à cibersegurança da computação quântica e para a qual estão alocados cinco doutorados.

Pires de Lima revela que BCSD Portugal deverá incluir 200 empresas em três anos

O CEO da Brisa põe o aspecto social e combate à pobreza no topo das prioridades para caminharmos para um mundo mais sustentável. Pires de Lima invocou o BCSD Portugal, de que faz parte, revelando que reúne 140 empresas mas deverá chegar a 200 no prazo de três anos.

Novo Banco: Tribunal de Contas atento ao acolhimento das recomendações, diz José Tavares

O presidente do Tribunal de Contas, José Tavares, afirmou hoje que o Tribunal “continuará ativo” em relação ao Novo Banco nomeadamente ao nível da aplicação das recomendações formuladas nas auditorias.
Comentários