EUA. Google terá de pagar mais de 391 milhões de dólares a 40 estados por violação de privacidade (com áudio)

A gigante tecnológica Google concordou hoje em pagar 391,5 milhões de dólares (cerca de 379 milhões de euros) a 40 estados norte-americanos para encerrar uma investigação sobre como rastreou a localização dos utilizadores sem autorização.

3 – Google (158 mil milhões de euros)

A investigação foi desencadeada por uma reportagem a agência de notícias Associated Press (AP) de 2018

Na ocasião, foi descoberto que a Google continuou a rastrear os dados das pessoas mesmo depois da desativação do “histórico de localização”.

Os procuradores-gerais chamaram o acordo de uma vitória histórica para os consumidores e o maior acordo multiestadual da história dos Estados Unidos que lida com a privacidade.

“Este acordo de 391,5 milhões de dólares é uma vitória histórica para os consumidores numa era de crescente dependência da tecnologia”, disse o procurador-geral do Connecticut, William Tong, citado em comunicado.

Por sua vez, a Google, com sede em Mountain View (Califórnia), disse que corrigiu os problemas há vários anos.

“Consolidados com as melhorias que fizemos nos últimos anos, resolvemos esta investigação, baseada em políticas de produtos desatualizadas que mudámos há anos”, disse o porta-voz da empresa Jose Castaneda, citado em comunicado.

O rastreamento de localização pode ajudar as empresas de tecnologia a vender anúncios digitais para profissionais de marketing que desejam se conectar com os consumidores mais próximos.

Em 2018, a AP informou que muitos serviços da Google em dispositivos Android e iPhones armazenavam dados de localização dos utilizadores, mesmo usando uma configuração de privacidade para impedir o acesso.

Armazenar esses dados traz riscos à privacidade e tem sido usado pela polícia para determinar a localização de suspeitos.

A AP havia noticiado que o problema afetou cerca de dois mil milhões de utilizadores de dispositivos Android e centenas de milhões de iPhones em todo o mundo.

A Google usa as informações de localização para segmentar consumidores com anúncios dos seus clientes, segundo as autoridades estaduais.

Os procuradores-gerais indicaram que a Google enganou os utilizadores sobre as suas práticas de rastreamento de localização desde pelo menos 2014, violando as leis estaduais de proteção ao consumidor.

Como parte do acordo de hoje, a Google também concordou em tornar essas práticas mais transparentes para os utilizadores.

A empresa de terá de mostrar mais informações quando os utilizadores ativam e desativam as configurações da conta de localização.

Recomendadas

CEO da EDP diz que Portugal tem sido “exemplo de estabilidade” nos preços para as famílias (com áudio)

Em declarações aos jornalistas durante uma visita a um parque solar flutuante em Singapura, o CEO da EDP disse que a evolução dos preços em Portugal, incluindo um aumento médio de cerca de 3% do valor global da fatura de eletricidade dos clientes residenciais da EDP Comercial a partir de janeiro, “é uma coisa perfeitamente estável face ao enquadramento que existe”.
Pedro Saraiva, Vice-reitor da Universidade NOVA de Lisboa

Produtividade aumentará se as empresas interagirem mais com as universidades, diz vice-reitor da NOVA

Pedro Saraiva diz que muitas empresas até produzem já com um grau razoável de inovação, mas menos de 10% o faz em parceria com universidades. E essa é a grande lacuna, que quando ultrapassada contribuirá significativamente para resolver o problema da produtividade.

Emissão obrigacionista da Sonangol é “bem vinda” para a bolsa angolana

Segundo o responsável do Departamento de Desenvolvimento de Mercado da Bodiva, Nivaldo Matias, a iniciativa da Sonangol ainda não foi dada a conhecer formalmente à instituição, contudo, a decisão da petrolífera é “bem-vinda”.
Comentários